Prova de Terapia Ocupacional para Residência USP 2019 com Gabarito

Prova de Terapia Ocupacional para Residência USP 2019 com Gabarito

QUESTÕES DE:
PORTUGUÊS/INTERPRETAÇÃO DE TEXTO (01 - 10)
CONHECIMENTO GERAL (11 - 20)

QUESTÃO 21
USP 2019: No processo de construção da Política de Saúde Mental no Estado de São Paulo, no início dos anos 1980, destaca‐se a participação dos terapeutas ocupacionais na

(A) implementação dos Centros de Atenção Psicossocial e na inserção nas equipes de Saúde da Família.

(B) transformação das instituições asilares e na inserção nos Ambulatórios de Saúde Mental.

(C) reemergência do tratamento moral e no desenvolvimento das terapias de grupo.

(D) humanização dos hospitais psiquiátricos e na promoção da inclusão em atividades culturais.

(E) oferta de lares abrigados e no desenvolvimento de abordagens biomédicas de cura.

RESPOSTA.

QUESTÃO 22
USP 2019: Para gerar e enriquecer as relações de trocas e ampliar a contratualidade social dos usuários, as intervenções em Terapia Ocupacional orientadas pela perspectiva da Reabilitação Psicossocial devem adotar os seguintes eixos de ação:

(A) habilitar para as atividades de vida diária e adaptar as atividades instrumentais de vida diária.

(B) enriquecer o cotidiano e promover hábitos e estilos de vida saudáveis.

(C) habitar, trocar as identidades, produzir e trocar mercadorias e valores.

(D) promover ocupações saudáveis, estar em tratamento e fortalecer as relações familiares.

(E) potencializar o desempenho ocupacional e engajar‐se em movimentos sociais.

RESPOSTA.

QUESTÃO 23
USP 2019: Saraceno (2011) critica a adoção exclusiva do Modelo Biomédico no campo do sofrimento mental por considerar que este modelo

(A) incluiu, na classificação internacional das doenças mentais, as condições associadas ao sofrimento psicossocial decorrente da pobreza e do desenraizamento dos migrantes.

(B) mostra‐se obsoleto diante da produção teórica da psicodinâmica, que provou que as causas dos transtornos mentais são de origem psicológica, com influência social.

(C) não conseguiu estabelecer uma causa anatomoclínica para a doença mental e, como consequência, não desenvolveu seu tratamento específico.

(D) está estruturado em uma lógica linear, individualista e a‐ histórica, o que resulta em respostas simplificadas e fragmentadas para demandas complexas dos usuários.

(E) desenvolveu uma abordagem global da doença e da saúde, sem, contudo, encontrar um modelo de intervenção interdisciplinar.

RESPOSTA.

QUESTÃO 24
USP 2019: De acordo com a Lei 10216, de 06 de abril de 2001, a internação psiquiátrica compulsória

(A) só pode ser efetivada, no momento da admissão, mediante a assinatura de uma declaração de consentimento pela pessoa internada.

(B) é determinada pelo médico psiquiatra, responsável técnico do estabelecimento, que deve comunicar o Ministério Público no prazo de setenta e duas horas.

(C) prevê dois tipos de alta: por solicitação escrita do familiar ou responsável legal, e definida pelo especialista responsável pelo tratamento.

(D) é determinada pelo juiz competente, que levará em conta as condições de segurança do estabelecimento quanto à salvaguarda do paciente, demais internados e funcionários.

(E) prevê duas possibilidades de cessação: por solicitação escrita do paciente ou por determinação do médico assistente.

RESPOSTA.

QUESTÃO 25
USP 2019: Sobre a estratégia da Redução de Danos(RD), é correto afirmar:

(A) Em todo o mundo, a abordagem terapêutica baseada na lógica de redução de danos apresenta resultados positivos, com exceção para as drogas consideradas pesadas, como cocaína e crack.

(B) Ao longo do cuidado, a ambivalência do usuário entre querer parar o uso e não conseguir, exige que o profissional adote a postura de alta exigência e proponha um projeto terapêutico rígido.

(C) Não serve para todos os usuários, portanto o profissional deve propor a abstinência quando a redução de danos não se mostrar efetiva.

(D) Parte da premissa de que os dependentes químicos apresentam perda de controle e autonomia sobre a própria vida, por isso o profissional deve assumir a tutela desses usuários.

(E) Reconhece o usuário em sua singularidade e traça, com ele, estratégias voltadas para a defesa da vida e não assume a abstinência como único objetivo a ser alcançado.

RESPOSTA.

QUESTÃO 26
USP 2019: A Política Nacional de Saúde da Pessoa Portadora de Deficiência, objetivando a inclusão e participação social, tem como propósito reabilitar a pessoa com deficiência

(A) na sua capacidade funcional e desempenho humano.
(B) na sua doença e incapacidade.
(C) no seu engajamento ocupacional e handicap.
(D) na sua deficiência e saúde ocupacional.
(E) no seu desempenho ocupacional e desabilidades.

RESPOSTA.

QUESTÃO 27
USP 2019: Ao realizar o Acolhimento de um usuário que chega para o primeiro atendimento em um Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (CAPSad), os profissionais da equipe devem

(A) solicitar que o usuário aguarde e não atendê‐lo imediatamente, a fim de trabalhar o imediatismo característico dessa população.

(B) escutar e valorizar o sofrimento do usuário, legitimando sua demanda e oferecendo um conjunto de ações pactuadas.

(C) elaborar um projeto simples e condicionar a oferta de cuidados à exigência de frequência diária ao serviço e à abstinência.

(D) atender o usuário e encaminhar os familiares para outro serviço especializado, para garantir privacidade e evitar confrontos desnecessários.

(E) explicar o que o serviço pode oferecer para o usuário, evitando ofertas assistencialistas como tomar um banho e/ou comer.

RESPOSTA.

QUESTÃO 28
USP 2019: A Política Nacional de Saúde da Pessoa Portadora de Deficiência compreende que a Inclusão Social é um processo

(A)  de mão única, que visa à habilitação das pessoas com deficiência, de modo que possam participar, como as demais, dos circuitos de trocas sociais.

(B) que considera que discriminações e preconceitos fazem parte da sociedade, por isso as pessoas com deficiência devem ser preparadas para lidar com as situações adversas.

(C) que visa possibilitar o acesso aos serviços públicos, aos bens culturais e aos produtos decorrentes do avanço social, respeitando as necessidades próprias das pessoas com deficiência.

(D) que se compara ao de integração social ao colocar o foco na redução da desabilidade das pessoas com deficiência e compreender que a inserção é resultado do esforço pessoal e individual.

(E) que considera que a pessoa com deficiência deve ser, prioritariamente, preparada para a sua inserção social, a partir da normalização do seu comportamento e do seu corpo.

RESPOSTA.

QUESTÃO 29
USP 2019: O processo inflamatório, ao acometer um tecido, gera o aumento da vascularização localizada, por dilatação dos vasos, permitindo maior aporte de células sanguíneas de defesa na área afetada, e resulta em

(A) edema e aumento do líquido sinovial ao redor das fibras musculares.

(B) contratura e diminuição do líquido sinovial ao redor das fibras musculares.

(C) coagulação sanguínea e orientação no sentido longitudinal das fibras do tecido conectivo.

(D) edema e aumento da mobilidade dos tecidos articulares.

(E) coagulação sanguínea e diminuição do líquido sinovial ao redor das fibras do tecido conectivo.

RESPOSTA.

QUESTÃO 30
USP 2019: Os princípios anatômicos e biomecânicos devem ser respeitados no planejamento e confecção de uma órtese, pois são de fundamental importância para que o produto final seja tecnicamente correto. Os aspectos anatômicos mais importantes a serem considerados nesse processo são:

I. ______________, cuja mobilidade permite que a mão se espalme ou se enconche para acomodar os objetos durante a preensão;

II. _______________, que são marcas de superfície que mostram os movimentos das estruturas subjacentes; durante a confecção, devem ficar livres, permitindo, dessa forma, a mobilidade das articulações;

III. _______________, que ficam expostas à concentração de pressão e ao atrito;

IV. _______________, que são responsáveis pelo alinhamento e estabilização das articulações; essas podem ficar expostas a tensão desigual, provocando desvios lineares devido aos exageros de tensão durante o posicionamento.

Pela ordem, as lacunas devem ser preenchidas por:

(A) I – Tendões; II – Cavidades epidérmicas; III – Articulações; IV – Cápsulas articulares.

(B) I – Articulações; II  ‐  Marcas epidérmicas; III – Estruturas articulares; IV ‐ Músculos extensores.

(C) I – Ligamentos; II – Sulcos; III – Estruturas musculares; IV – Cavidades articulares.

(D) I – Pele; II – Ligamentos; III – Estruturas ósseas; IV – Cavidades tendíneas.

(E) I‐  Arcos da mão; II‐  Pregas da mão; III – Proeminências ósseas, IV – Estruturas ligamentares.

RESPOSTA.

QUESTÃO 31
USP 2019: Normatizadas pela Portaria n° 4.249, as “Redes de Atenção à Saúde”, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) brasileiro,

(A) têm como objetivo aprimorar a relação entre os diferentes níveis de complexidade procedimental no SUS e regulamentar o mecanismo de referência e contrarreferência.

(B) visam superar a falta de cobertura plena da Atenção Básica em Saúde, a partir da ampliação da Estratégia de Saúde da Família e dos Núcleos de Atenção à Saúde da Família.

(C) configuram‐se como estratégia para superar a fragmentação da atenção e da gestão nas Regiões de Saúde e aperfeiçoar o funcionamento político‐institucional do SUS.

(D) representam a nova compreensão sobre o processo Saúde‐ Doença, buscando estabelecer relações humanizadas e médico‐centradas entre os cidadãos e os profissionais de saúde.

(E) propõem a reorganização dos serviços de saúde, assistência social, educação e promoção social nas Regiões de Saúde a partir dos princípios da Integralidade e Intersetorialidade.

RESPOSTA.

QUESTÃO 32
USP 2019: No âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), as “Redes de Atenção à Saúde” caracterizam‐se pelo(a)

(A) compreensão da Atenção Primária em Saúde (APS) como primeiro nível de atenção, enfatizando a função resolutiva dos cuidados primários sobre os problemas mais comuns de saúde, a partir do qual se realiza e coordena o cuidado em todos os pontos de atenção.

(B) pulverização dos serviços nos municípios, garantindo a descentralização, reduzindo a inserção da Vigilância e Promoção em Saúde no cotidiano dos serviços de atenção, em especial na Atenção Primária em Saúde (APS).

(C) organização dos serviços e redes fundamentada em ações curativas, centrada no cuidado médico e estruturada em ações e serviços de saúde dimensionados a partir da oferta, considerando a pactuação nas Regiões de Saúde.

(D) atual perfil epidemiológico brasileiro, definido pela persistência de doenças parasitárias, infecciosas e desnutrição e importante componente de problemas de saúde reprodutiva, com mortes maternas e óbitos infantis por causas consideradas evitáveis, características de países subdesenvolvidos.

(E) formação de relações hierárquicas entre os pontos de atenção, de acordo com os níveis de complexidade de cada ponto, compreendendo a centralidade das ações nas necessidades em saúde do território.

RESPOSTA.

QUESTÃO 33
USP 2019: Prevê que o serviço deva estar de porta aberta para o usuário, com suas vivências e seu sofrimento. Consiste na atitude de reconhecimento do outro como legítimo interlocutor e deve ser realizado sem demora, evitando‐se procedimentos burocráticos. Requer disponibilidade do trabalhador para valorizar o sofrimento do usuário, por meio da escuta qualificada, para entender quais são as expectativas do usuário em relação ao serviço e o que o serviço pode oferecer para o usuário.

Essa é a definição de

(A) Projeto Terapêutico Singular.
(B) Matriciamento.
(C) Trabalho em Equipe.
(D) Vínculo.
(E) Acolhimento.

RESPOSTA.

QUESTÃO 34
USP 2019: O Acolhimento é considerado um dos mecanismos de garantia dos princípios de acessibilidade e universalidade no Sistema Único de Saúde (SUS).

Considere as seguintes afirmações sobre o Acolhimento na Atenção Básica:

I. Postura, atitude e tecnologia de cuidado que se estabelece nas relações entre as pessoas e os trabalhadores, nos modos de escuta, na maneira de lidar com o não previsto e nos modos de construção de vínculos.

II. Mecanismo de Classificação de Risco, que permite a avaliação do potencial de risco, agravo à saúde e grau de sofrimento dos usuários, considerando dimensões de expressão e gravidade, que possibilita priorizar os atendimentos a eventos agudos conforme a necessidade, a partir de critérios clínicos e de vulnerabilidade disponíveis em diretrizes e protocolos assistenciais definidos no SUS.

III. Dispositivo de (re)organização do processo de trabalho em equipe que implica a reflexão sobre o conjunto de ofertas que a equipe tem apresentado para lidar com as necessidades de saúde da população e do território.

Está correto o que se afirma em

(A) I, II e III.
(B) I e II, apenas.
(C) I e III, apenas.
(D) II, apenas.
(E) III, apenas.

RESPOSTA.

QUESTÃO 35
USP 2019: O Apoio Matricial configura‐se como estratégia de organização e de gestão dos serviços de saúde que objetiva superar a racionalidade gerencial tradicional. Tal estratégia propõe como principais modalidades de operacionalização:

(A) equipe de referência e Terapia Comunitária.

(B) encaminhamento dos casos agudos e corresponsabilização pelos casos crônicos.

(C) reuniões de equipe e garantia de fluxo de referência e contrarreferência.

(D) atendimento conjunto e discussão de caso/formulação do Projeto Terapêutico Singular.

(E) educação continuada e treinamento/capacitação das equipes da Atenção Básica.

RESPOSTA.

QUESTÃO 36
USP 2019: O Apoio Matricial pode ser compreendido como a metodologia de gestão da atenção em saúde que oferece

(A) suporte técnico‐pedagógico aos profissionais da equipe de saúde da família como estratégia de formação especializada.

(B) supervisão Institucional em serviço, com objetivo de aprimorar as discussões em equipe e a construção de projetos terapêuticos singulares.

(C) retaguarda psicológica às equipes que atuam diretamente nos domicílios dos usuários de sua região de abrangência, promovendo a saúde do cuidador.

(D) suporte técnico especializado, ofertado a uma equipe interdisciplinar de saúde a fim de ampliar seu campo de atuação e qualificar suas ações, invertendo a lógica da fragmentação dos saberes.

(E) solução rápida para casos de urgência e emergência que fogem à capacidade técnica da equipe de atenção primária.

RESPOSTA.

QUESTÃO 37
USP 2019: Dentre as diretrizes da Política Nacional de Atenção Hospitalar no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), NÃO se inclui:

(A) garantia de universalidade de acesso, além de equidade e integralidade na atenção hospitalar.

(B) modelo de atenção biomédico, centrado no cuidado clínico, de forma multiprofissional e interdisciplinar.

(C) financiamento tripartite pactuado entre as três esferas de gestão.

(D) atenção humanizada em consonância com a Política Nacional de Humanização.

(E) regionalização da atenção hospitalar, com abrangência territorial e populacional.

RESPOSTA.

QUESTÃO 38
USP 2019: Considere as seguintes afirmações sobre a Política Nacional de Atenção Hospitalar:

I. Estabelece as diretrizes para a organização do componente hospitalar na Rede de Atenção à Saúde (RAS);

II. Aplica‐se a qualquer hospital, público, filantrópico ou privado lucrativo que preste serviços em nível local;

III. Considera que os hospitais, além da assistência, constituem‐se, ainda, em espaços de educação, formação de recursos humanos, pesquisa e avaliação de tecnologias em saúde para a RAS.

Está correto apenas o que se afirma em:

(A) I.
(B) II.
(C) III.
(D) I e II.
(E) I e III.

RESPOSTA.

QUESTÃO 39
USP 2019: Como componente das Redes de Atenção à Saúde (RAS), a Atenção Hospitalar deve atuar de forma integrada e respeitar os mesmos princípios que orientam os demais pontos de atenção da RAS. Dentre estes princípios destacam‐se

(A) o Plano Terapêutico e o Projeto Terapêutico Singular,sendo o primeiro elaborado quando se tratar de um usuário com quadro clínico complexo ou de alta vulnerabilidade, e o segundo, no contexto da rede de serviços a ser acessada pelo usuário.

(B) a Clínica Ampliada e a Gestão da Clínica, que consiste na implementação de equipes multiprofissionais de referência, de forma a assegurar o vínculo entre a equipe, o usuário e os familiares, e garantir a visita aberta com a presença do acompanhante, além da valorização de fatores subjetivos e sociais.

(C) as Equipes Multiprofissionais de Referência como estrutura nuclear a serviço do médico, no contexto hospitalar, e o Apoio Matricial, para propiciar a retaguarda e o suporte, nas especialidades clínicas, para as equipes de referência, visando à atenção integral ao usuário.

(D) a Hierarquização do Cuidado como uma das estratégias para efetivação da Equipe de Referência e Gestão hospitalar e a garantia da Efetividade dos serviços, por meio da racionalização da utilização dos recursos, respeitando as especificidades regionais.

(E) os Protocolos Clínicos e os Fluxos de Encaminhamento Referenciados, adotados para garantir intervenções seguras e resolutivas, além de evitar ações desnecessárias, qualificando a assistência prestada ao usuário, de acordo com o estabelecido pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

RESPOSTA.

QUESTÃO 40
USP 2019: Considere as seguintes afirmações relativas ao trabalho em saúde nas Redes de Atenção à Saúde:

I. O trabalho deve ser visto como categoria central para uma política de valorização dos trabalhadores.

II. Todos os profissionais podem e devem desenvolver a clínica ampliada e se comprometer com a busca do cuidado integral em saúde.

III. O foco do trabalho vivo deve estar nos equipamentos e no conhecimento estruturado da equipe, e as relações estabelecidas no ato de cuidar devem estar a serviço destes.

De acordo com a Portaria nº 4.249, está correto apenas o que se afirma em

(A) I.
(B) II.
(C) III.
(D) I e II.
(E) II e III.

RESPOSTA.

QUESTÃO 41
USP 2019: A Política Nacional de Saúde do Idoso, de acordo com a Portaria nº 2.528 de 19 de outubro de 2006, apresenta como uma de suas justificativas:

(A) O rápido envelhecimento da população brasileira, sendo que nesta transição epidemiológica ocorrem incapacidades resultantes da falta de controle de fatores de risco acidentais não preveníveis.

(B) A promoção de saúde da população idosa se restringe ao controle e à prevenção de agravos de doenças crônicas não transmissíveis.

(C) A existência prévia de redes de serviços que oferecem ambientes físicos e sociais que possibilitam melhorar a saúde das pessoas com incapacidades e que podem ser utilizados como serviço complementar ao Sistema Único de Saúde (SUS).

(D) O grande número de profissionais qualificados na atenção ao idoso, o que viabiliza a implantação dessa Política.

(E) O Sistema Único de Saúde (SUS) ainda não considera o envelhecimento como uma de suas prioridades e está mais organizado para atender à saúde materno‐infantil.


QUESTÃO 42
USP 2019: Em relação à Política Nacional de Saúde do Idoso, estabelecida pela Portaria nº 2.528 de 19 de outubro de 2006, é correto afirmar:

(A) Uma de suas diretrizes é a divulgação e a informação sobre a Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), pois os gestores e profissionais estão conscientes e são executores dessa Política.

(B) Essa Política considera como desafios o número insuficiente de serviços de cuidado domiciliar ao idoso frágil, previsto no Estatuto do Idoso, e a necessidade de suporte qualificado e constante aos responsáveis por esses cuidados.

(C) Uma de suas diretrizes é a formação e educação permanente dos profissionais de saúde da rede privada para a atenção à saúde da pessoa idosa.

(D) A população idosa é considerada um grupo homogêneo, que deve ser atendido em suas necessidades para um envelhecimento ativo, fundamentado nos direitos humanos e nos princípios de independência, participação, dignidade, assistência e autorrealização.

(E) As ações de promoção de saúde para a população idosa são secundárias e terciárias, sendo a promoção primária destinada à população abaixo dos 60 anos.


QUESTÃO 43
USP 2019: Almeida e Oliver, no capítulo “Abordagens comunitárias e territoriais em reabilitação de pessoas com deficiência: fundamentos para a Terapia Ocupacional” (in CARLO; BARTALOTTI, 2001) afirmam que

(A) a atuação realizada no território, junto à pessoa com deficiência, pode ser definida pela mudança de localização em que se realiza a ação terapêutica, transferindo‐a da sala do terapeuta ocupacional para contexto em que o sujeito vive.

(B) o território solo equivale ao conceito de território‐processo, pois ambos consideram o espaço onde habita o sujeito, abrangendo suas dificuldades funcionais frente aos obstáculos existentes no território.

(C) a ação do terapeuta ocupacional poderá abranger, identificar e localizar as pessoas com deficiências, além de atuar para a acessibilidade geográfica, cultural e arquitetônica dos equipamentos existentes no entorno.

(D) a atenção territorial, voltada às pessoas com deficiência, considera ações na comunidade e não no domicilio, pois o domicilio não oferece subsídios para avaliação de demandas e necessidades, uma vez que o foco é a participação social.

(E) a abordagem da Reabilitação Baseada na Comunidade (RBC) é utilizada na ação territorial, prescindindo‐se das tecnologias de atenção em saúde e de reabilitação, indisponíveis em comunidades mais vulneráveis.


QUESTÃO 44
USP 2019: A Psicodinâmica do Trabalho, como uma das abordagens atuais no campo de Saúde e Trabalho,

(A) adota espaços de escuta, de reflexão e de validação individuais como mecanismo para a mudança nos postos de trabalho de cada trabalhador.

(B) contrapõe‐se à visão da Ergonomia e não mantém diálogo com essa orientação teórico‐prática.

(C)  busca compreender aspectos psicológicos e subjetivos que são mobilizados a partir das relações e da Organização do Trabalho.

(D) compreende as relações subjetivas existentes no trabalho, mas não propõe ações para modificá‐las, enfatizando as transformações nas tarefas contidas no trabalho.

(E) considera os conceitos de “trabalho prescrito” e “trabalho oculto” para a compreensão das ações do trabalhador.


QUESTÃO 45
USP 2019: O Manual Doenças relacionadas ao trabalho: manual de procedimentos para os serviços de saúde, publicado pelo Ministério da Saúde (2001), aponta como dificuldades apresentadas pela estratégia de implantação dos Centros de Referências em Saúde do Trabalhador:

(A) pequena inserção na rede do Sistema Único de Saúde e deficiência de recursos materiais para as ações de diagnósticos, de equipamentos para avaliações ambientais e de bibliografia especializada.

(B) sindicatos atuantes que cobram ampliação das ações dos Centros de Referência para além dos trabalhadores sindicalizados e buscam a inclusão dos trabalhadores informais.

(C) cobertura realizada pela rede privada, que contraria as ações realizadas pelos Centros de Referência, dificultando a atuação junto aos trabalhadores atendidos pela Rede de Atenção à Saúde.

(D) limitações quanto aos recursos tecnológicos para procedimentos diagnósticos e consequente estabelecimento da relação das doenças com o trabalho, apesar da formação adequada dos profissionais que compõem as equipes dos Centros de Referência.

(E) carências de informações sobre os trabalhadores rurais e trabalhadores de cooperativas, em contraste com as informações atualizadas sobre os trabalhadores das indústrias e comércio disponíveis no sistema “S” (SENAI e SENAC).

QUESTÃO 46
USP 2019: A Vigilância em Saúde do Trabalhador (VISAT) atua na perspectiva da prevenção dos agravos decorrentes da relação saúde‐trabalho e da promoção da saúde. Sobre a VISAT pode‐ se afirmar:

(A) Abrange trabalhadores que tenham como local de trabalho a zona urbana ou rural, não incluindo trabalhadores aposentados ou desempregados, devendo estes ser abrangidos por outros órgãos.

(B) Tem como um dos objetivos a intervenção sobre os fatores determinantes de agravos à saúde da população trabalhadora, para eliminá‐los, atenuá‐los ou controlá‐los, por meio da fiscalização.

(C) Seu principal objetivo é caracterizar o adoecimento e a morte relacionados ao trabalho, repassando tais informações para a Previdência Social para que esta identifique os fatores de risco e as possibilidades de intervenção.

(D) As informações são obtidas de Sistemas de Informações de Agravos de Notificação (SINAM), de informações de Mortalidade (SIM); neste caso não são necessários a participação dos trabalhadores nem o controle social.

(E) A abordagem é centralizada no profissional médico, pois este é o profissional responsável por realizar a anamnese ocupacional.


QUESTÃO 47
USP 2019: Watanabe e Nicolau, no capítulo “A Terapia Ocupacional na interface da saúde e do trabalho” (in CARLO; BARTALOTTI, 2001) afirmam que

(A) terapeutas ocupacionais têm atuado junto a grupos de trabalho autogestionário como possibilidade de geração de renda a pessoas em situação de vulnerabilidade social.

(B) as oficinas de trabalho, como alternativa para pessoas com déficit cognitivo, têm se mostrado inclusivas, oferecendo amplas oportunidades de emprego.

(C) os terapeutas ocupacionais, no contexto empresarial, atuam na reabilitação psicossocial e na inclusão de pessoas com deficiência física.

(D) a atuação do terapeuta ocupacional, nos Centros de Referência do Trabalhador, limita‐se ao atendimento individual de trabalhadores com lesões relacionadas ao trabalho, sendo a vigilância das condições de trabalho realizada pelo engenheiro do trabalho.

(E) a centralidade do trabalho na vida das pessoas torna‐o uma atividade necessária, saudável, útil e prazerosa.


QUESTÃO 48
USP 2019: No âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), a Política Nacional de Atenção Básica (PNAB) foi recentemente revista pela Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017.

Constitui uma das mudanças presentes na nova PNAB:

(A) Inclusão do médico acupunturista e do médico homeopata como profissionais que podem compor o NASF, atendendo à Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares.

(B) Criação de equipes de Consultório na Rua para atender as demandas de pessoas em situação de rua.

(C) Substituição do agente comunitário de saúde pelo agente de combate às endemias, considerando prevalência de casos de dengue, chikungunya e zika.

(D) Ampliação da atuação do NASF para além de equipes de Saúde da Família, incorporando equipes tradicionais de Atenção Básica, sendo então denominado de NASF‐AB.

(E) Aumento para 4.000 da população adscrita por equipe de Atenção Básica e de Saúde da Família para ampliar a cobertura.


QUESTÃO 49
USP 2019: O Projeto Terapêutico Singular (PTS) é um importante instrumento, tanto para o planejamento de ações de cuidado quanto no âmbito da gestão. Sobre o PTS, é correto afirmar que

(A) é elaborado pelo profissional de referência, que, no caso da Estratégia de Saúde da Família, é o médico generalista ou de família.

(B) é um instrumento utilizado nas unidades de saúde da família, pois considera a singularidade de um grupo ou família e não de um sujeito individual.

(C) uma das etapas do PTS é a hipótese diagnóstica, na qual se consideram fatores orgânicos e cognitivos. O aspecto social é considerado na definição das intervenções.

(D) a elaboração de PTS, na Atenção Básica, destina‐se às situações nas quais os usuários ou famílias estejam em situações mais graves ou difíceis.

(E) as metas definidas no PTS independem de pactuação com o usuário, no caso de ser elaborado por profissionais que o acompanham longitudinalmente.


QUESTÃO 50
USP 2019: De acordo com a Política Nacional de Saúde do Idoso, regida pela Portaria nº 2.528 de 19 de outubro de 2006, é correto afirmar em relação ao papel das ações da Atenção Básica:

(A) Cabe à equipe da saúde da família e às equipes de atenção domiciliar realizarem inquérito populacional para levantamento e estratificação das condições de risco social da população idosa dos municípios.

(B) A Política de Saúde do Idoso prevê apoio técnico e/ou financeiro a projetos a serem coordenados pelos núcleos de apoio à saúde da família, para a qualificação de profissionais que atuarão com o idoso em vulnerabilidade social ou em situação de institucionalização.

(C) Cabe à equipe das unidades distritais de saúde elaborar normas técnicas referentes à atenção à saúde da pessoa idosa, fundamentadas nas demandas especificas do seu território de abrangência.

(D) A equipe de atenção domiciliar deverá estabelecer diretrizes sobre o funcionamento das Instituições de Longa Permanência para Idosos, quando implicar atendimento a idosos acamados dessas instituições.

(E) Os profissionais da Atenção Básica e das Equipes da Saúde da Família, incluindo a atenção domiciliar e ambulatorial, são incentivados a utilizarem instrumentos técnicos validados para avaliação funcional e psicossocial da pessoa idosa.

Prova de Terapia Ocupacional para Residência USP 2019 com Gabarito Prova de Terapia Ocupacional para Residência USP 2019 com Gabarito Reviewed by Redação on novembro 22, 2018 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.