FATEC 2018/2: O texto foi retirado do livro Quarto de Despejo, diário escrito por Carolina Maria de Jesus

FATEC 2018/2: QUESTÃO 50 - PORTUGUÊS

O texto foi retirado do livro Quarto de Despejo, diário escrito por Carolina Maria de Jesus, moradora da favela do Canindé, em São Paulo, na década de 1950. A edição reproduz fielmente os manuscritos originais.

Analisando a linguagem apresentada no trecho, conclui-se corretamente que

(A) a autora não apresenta reflexão crítica sobre suas experiências por desconhecer a variedade culta do português.
(B) o fato de a autora não utilizar a variedade culta se deve ao gênero do texto, uma vez que diários não são escritos visando à publicação.
(C) os problemas de ortografia, como em “espiatorio”, e de concordância, como em “quando eles vê”, ocorrem por predominar no texto o sentido denotativo.
(D) o texto é predominantemente conotativo, o que se nota por expressões como “hoje amanheceu chovendo” e “a chuva passou”.
(E) o texto aborda, de forma crítica e empregando linguagem informal, temas relevantes à sociedade, como fome e pobreza.

Questão anterior:
- Biologia
- Os numerosos sistemas de classificação dos seres vivos estruturam o pensamento biológico de cada época. O sistema de cinco reinos, por exemplo, foi proposto por Robert Whittaker em 1969. No entanto, esse sistema tem se mostrado incoerente, especialmente nas últimas décadas, cedendo cada vez mais espaço às propostas derivadas dos trabalhos de Carl Woese, feitas a partir da década de 1990.

Leia o texto para responder às questões de números 50 a 53.

13 de maio Hoje amanheceu chovendo. É um dia simpatico para mim. É o dia da Abolição. Dia que comemoramos a libertação dos escravos.

...Nas prisões os negros eram os bodes espiatorios. [....]

Continua chovendo. E eu tenho só feijão e sal. A chuva está forte. Mesmo assim, mandei os meninos para a escola. Estou escrevendo até passar a chuva, para eu ir lá no senhor Manuel vender os ferros. Com o dinheiro dos ferros vou comprar arroz e linguiça. A chuva passou um pouco. Vou sair.

...Eu tenho tanto dó dos meus filhos. Quando eles vê as coisas de comer eles brada:

– Viva a mamãe!

A manifestação agrada-me. Mas eu já perdi o habito de sorrir. Dez minutos depois eles querem mais comida. Eu mandei o João pedir um pouquinho de gordura a Dona Ida. Ela não tinha. Mandei-lhe um bilhete assim:

– “Dona Ida peço-te se pode me arranjar um pouco de gordura, para eu fazer uma sopa para os meninos. Hoje choveu e eu não pude ir catar papel. Agradeço. Carolina.”

...Choveu, esfriou. É o inverno que chega. E no inverno a gente come mais. A Vera começou pedir comida.

E eu não tinha. Era a reprise do espetaculo. Eu estava com dois cruzeiros. Pretendia comprar um pouco de farinha para fazer um virado. Fui pedir um pouco de banha a Dona Alice. Ela deu-me a banha e arroz. Era 9 horas da noite quando comemos.

E assim no dia 13 de maio de 1958 eu lutava contra a escravatura atual – a fome! 29 de maio [....]

...Há de existir alguem que lendo o que eu escrevo dirá...isto é mentira! Mas, as miserias são reais.

MARIA DE JESUS, Carolina. Quarto de Despejo: Diário de uma favelada. São Paulo: Editora Ática, 2017. Adaptado.

Resolução (Objetivo):
Em Quarto de Despejo, é recorrente o registro informal e a denúncia contra a pobreza e a fome. O primeiro pode ser exemplificado na passagem “Quando eles vê as coisas de comer eles brada”; o segundo, em “A Vera começou pedir comida. E eu não tinha. Era a reprise do espetaculo”.

Resposta:
(E) o texto aborda, de forma crítica e empregando linguagem informal, temas relevantes à sociedade, como fome e pobreza.

Próxima questão:
- Assinale a alternativa que, de acordo com o contexto, apresenta a figura de linguagem metáfora.
FATEC 2018/2: O texto foi retirado do livro Quarto de Despejo, diário escrito por Carolina Maria de Jesus FATEC 2018/2: O texto foi retirado do livro Quarto de Despejo, diário escrito por Carolina Maria de Jesus Reviewed by Redação on julho 06, 2018 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.