Questões de Português UECE 2018 com Gabarito

Questões de Português UECE 2018 com Gabarito
(Universidade Estadual do Ceará)

LÍNGUA PORTUGUESA

Uma vela para Dario
Dalton Trevisan

Dario vinha apressado, guarda-chuva no braço
esquerdo e, assim que dobrou a esquina,
diminuiu o passo até parar, encostando-se à
parede de uma casa. Por ela escorregando,
sentou-se na calçada, ainda úmida de chuva, e
descansou na pedra o cachimbo.

Dois ou três passantes rodearam-no e
indagaram se não se sentia bem. Dario abriu a
boca, moveu os lábios, não se ouviu resposta.
O senhor gordo, de branco, sugeriu que devia
sofrer de ataque.

Ele reclinou-se mais um pouco, estendido
agora na calçada, e o cachimbo tinha apagado.
O rapaz de bigode pediu aos outros que se
afastassem e o deixassem respirar. Abriu-lhe o
paletó, o colarinho, a gravata e a cinta.
Quando lhe retiraram os sapatos, Dario roncou
feio e bolhas de espuma surgiram no canto da
boca.

Cada pessoa que chegava erguia-se na ponta
dos pés, embora não o pudesse ver. Os
moradores da rua conversavam de uma porta
à outra, as crianças foram despertadas e de
pijama acudiram à janela. O senhor gordo
repetia que Dario sentara-se na calçada,
soprando ainda a fumaça do cachimbo e
encostando o guarda-chuva na parede. Mas
não se via guarda-chuva ou cachimbo ao seu
lado.

A velhinha de cabeça grisalha gritou que ele
estava morrendo. Um grupo o arrastou para o
táxi da esquina. Já no carro a metade do
corpo, protestou o motorista: quem pagaria a
corrida? Concordaram chamar a ambulância.
Dario conduzido de volta e recostado à parede
– não tinha os sapatos nem o alfinete de
pérola na gravata.

Alguém informou da farmácia na outra rua.
Não carregaram Dario além da esquina; a
farmácia no fim do quarteirão e, além do mais,
muito pesado. Foi largado na porta de uma
peixaria. Enxame de moscas lhe cobriu o
rosto, sem que fizesse um gesto para espantálas.

Ocupado o café próximo pelas pessoas que
vieram apreciar o incidente e, agora, comendo
e bebendo, gozavam as delícias da noite. Dario
ficou torto como o deixaram, no degrau da
peixaria, sem o relógio de pulso.
Um terceiro sugeriu que lhe examinassem os
papéis, retirados – com vários objetos – de
seus bolsos e alinhados sobre a camisa
branca. Ficaram sabendo do nome, idade;
sinal de nascença. O endereço na carteira era
de outra cidade.

Registrou-se correria de mais de duzentos
curiosos que, a essa hora, ocupavam toda a
rua e as calçadas: era a polícia. O carro negro
investiu a multidão. Várias pessoas
tropeçaram no corpo de Dario, que foi
pisoteado dezessete vezes.

O guarda aproximou-se do cadáver e não pôde
identificá-lo – os bolsos vazios. Restava a
aliança de ouro na mão esquerda, que ele
próprio – quando vivo – só podia destacar
umedecida com sabonete. Ficou decidido que o
caso era com o rabecão.

A última boca repetiu “Ele morreu, ele
morreu”. A gente começou a se dispersar.
Dario levara duas horas para morrer, ninguém
acreditou que estivesse no fim. Agora, aos que
podiam vê-lo, tinha todo o ar de um defunto.

Um senhor piedoso despiu o paletó de Dario
para lhe sustentar a cabeça. Cruzou as suas
mãos no peito. Não pôde fechar os olhos nem
a boca, onde a espuma tinha desaparecido.
Apenas um homem morto e a multidão se
espalhou, as mesas do café ficaram vazias. Na
janela alguns moradores com almofadas para
descansar os cotovelos.

Um menino de cor e descalço veio com uma
vela, que acendeu ao lado do cadáver. Parecia
morto há muitos anos, quase o retrato de um
morto desbotado pela chuva.
Fecharam-se uma a uma as janelas e, três
horas depois, lá estava Dario à espera do
rabecão. A cabeça agora na pedra, sem o
paletó, e o dedo sem a aliança. A vela tinha
queimado até a metade e apagou-se às
primeiras gotas da chuva, que voltava a cair.
TREVISAN, Dalton. Vinte Contos Menores. Rio de
Janeiro: Record, 1979.

QUESTÃO 01
UECE 2018: Com relação ao estilo da linguagem presente no conto de Dalton Trevisan, NÃO é lícito dizer que

A) o minimalismo caracteriza o estilo da escrita do contista curitibano, o que dá ao texto um tom de linguagem jornalística pelo efeito de realidade produzido.

B) o estilo do autor é marcado pela concisão para tratar de um drama social da cidade grande.

C) o autor vale-se de um estilo prolixo de escrita para, de forma prosaica, trazer à tona questões do cotidiano de cenários urbanos.

D) a forma “telegráfica”, sem muitos rodeios e com objetividade, identifica bem o modo de escrever de Dalton Trevisan no conto Uma vela para Dario.

Resposta.

QUESTÃO 02
UECE 2018: Pela leitura atenta do texto, depreende-se que o propósito principal do autor é o de mostrar que

A) homens idosos não devem sair de casa desacompanhados em dias de chuva, pois poderão passar mal sem ninguém para socorrêlos.

B) a cidade grande, pelo grande fluxo de transeuntes e pela sua má estrutura, não está apta para que o cidadão possa trafegar, de maneira segura, na rua, em dias de chuva.

C) o crescimento populacional, nas grandes cidades, não impede que os seus habitantes se mostrem profundamente solidários à dor do outro, a ponto de poderem lhe prestar auxílio, mesmo este sendo um estranho ou desconhecido.

D) a reificação do ser humano, nos centros urbanos, está marcada pela relação de desrespeito e de indiferença do homem com o seu semelhante.

Resposta.

QUESTÃO 03
UECE 2018: No conto, o pronome lhe recupera, muitas vezes, o referente “Dario” para evitar repetições do nome da personagem principal. Atente às seguintes afirmações sobre o uso deste pronome no texto:

I. A ocorrência do lhe no enunciado “Abriu-lhe o paletó, o colarinho, a gravata e a cinta” (linhas 15-16), tem a mesma função sintática e textual do uso do lhe em “Quando lhe retiraram os sapatos”. (linha 17)

II. Em “Dario roncou feio e bolhas de espuma surgiram no canto da boca” (linhas 17-19), pode-se acrescentar o lhe ao segundo período (“surgiram-lhe no canto da boca”) que terá função sintática e textual semelhante à do emprego deste pronome utilizado em “Abriu-lhe o paletó, o colarinho, a gravata e a cinta”. (linhas 15-16)

III. No enunciado “Enxame de moscas lhe cobriu o rosto, sem que fizesse um gesto para espantá-las” (linhas 42-44), o pronome lhe não está relacionado sintaticamente ao verbo “cobrir”, mas ao substantivo “rosto”, indicando a ideia de posse.

IV. O pronome lhe utilizado nos enunciados “Um terceiro sugeriu que lhe examinassem os papéis” (linhas 50-51) e “Um senhor piedoso despiu o paletó de Dario para lhe sustentar a cabeça” (linhas 73-74) só pôde ser usado, nestes casos, porque se retoma um referente do gênero masculino no singular.

Está correto o que se afirma em

A) II e IV apenas.
B) I, II e III apenas.
C) I, III e IV apenas.
D) I, II, III e IV.

Resposta.

QUESTÃO 04
UECE 2018: Há várias passagens do conto em que o narrador procura mostrar o descaso das pessoas diante do ataque e da morte de Dario. Assinale a opção que corresponde ao trecho do conto que NÃO revela este descaso.

A) “Um menino de cor e descalço veio com uma vela, que acendeu ao lado do cadáver”. (linhas 81-82)

B) “Apenas um homem morto e a multidão se espalhou, as mesas do café ficaram vazias”. (linhas 77-78)

C) “A cabeça agora na pedra, sem o paletó, e o dedo sem a aliança”. (linhas 87-88)

D) “Fecharam-se uma a uma as janelas e, três horas depois, lá estava Dario à espera do rabecão”. (linhas 85-87)

Resposta.

QUESTÃO 05
UECE 2018: Sobre o uso do verbo dicendi na introdução da fala das personagens no conto de Dalton Trevisan, é correto afirmar que

A) no enunciado “Dois ou três passantes rodearamno e indagaram se não se sentia bem” (linhas 07-08), o uso do verbo dicendi “indagar” indica a voz de quem tem resposta a um questionamento.

B) O verbo “sugerir” em “O senhor gordo, de branco, sugeriu que devia sofrer de ataque” (linhas 10-11) é utilizado para marcar o tom de certeza presente no discurso da personagem.

C) Em “O senhor gordo repetia que Dario sentara-se na calçada” (linhas 24-25), a utilização do verbo de elocução “repetir” introduz, de maneira indireta, a voz de um discurso que, com insistência, reitera a ideia expressa.

D) Para alardear a notícia da morte de Dario, o uso dos verbos dicendi “gritou” e “repetiu” nos enunciados “A velhinha de cabeça grisalha gritou que ele estava morrendo” (linhas 30-31) e “A última boca repetiu ‘Ele morreu, ele morreu’” (linhas 68-69) são empregados com o mesmo sentido e com a mesma estrutura sintática.

Resposta.

QUESTÃO 06
UECE 2018: Na estruturação semântica do conto Uma vela para Dario, há várias oposições de sentido, como as estabelecidas pelos pares de termos apresentados a seguir. Assinale a opção cuja oposição de sentido NÃO faz parte da estruturação semântica desse conto.

A) vida x morte
B) solidariedade x desprezo
C) humanidade x desumanidade
D) alegria x tristeza

Resposta.

QUESTÃO 07
UECE 2018: No enunciado “Cada pessoa que chegava erguia-se na ponta dos pés, embora não o pudesse ver” (linhas 20-21), a oração destacada mantém com as orações anteriores uma relação sintático-semântica de

A) causa, pois a ideia a ser apresentada é a de que, em meio à multidão, as pessoas não podiam ver Dario porque eram de baixa estatura.

B) consequência, já que o autor pretendeu mostrar que, em decorrência de um número grande de pessoas ter se formado ao redor de Dario, os transeuntes curiosos não puderam enxergar o moribundo estendido na calçada.

C) concessão, porque quer se mostrar que, mesmo não podendo ver Dario, cada pessoa, ao chegar ao local onde o homem padecia deitado no chão, erguia-se na ponta dos pés para visualizá-lo.

D) explicação, em vista de o narrador procurar esclarecer que cada pessoa que chegava para ver Dario não o conseguia por haver outras tantas pessoas curiosas ao redor do senhor que agonizava na calçada.

Resposta.

QUESTÃO 08
UECE 2018: No conto, há duas classes de pessoas que interagem com Dario: os indiferentes e os solidários. Atente ao que se diz a seguir sobre estes dois grupos de personagens, e assinale com V o que for verdadeiro e com F o que for falso.

( ) Para marcar linguisticamente a classe dos indiferentes, o contista faz uso, geralmente, de expressões com plural ou com pronome indefinido.

( ) Para descrever a classe dos solidários, o narrador emprega, algumas vezes, substantivos seguidos de artigo definido ou de adjetivos/expressões adjetivas.

( ) O contista narra inúmeras tentativas para auxiliar Dario, destacando, em relação aos indiferentes, um maior predomínio, no texto, de pessoas solidárias com a dor e o sofrimento do pobre homem.

( ) Há um tom marcadamente trágico presente no desfecho do conto, ao se mostrar, entre as pessoas solidárias, um senhor piedoso e um menino negro sem chinelos que pareciam, em pleno espaço público da rua em uma noite chuvosa, preparar os rituais da cerimônia do velório e do sepultamento do corpo de Dario.

A sequência correta, de cima para baixo, é:

A) F, V, V, F.
B) V, V, F, V.
C) F, F, F, V.
D) V, F, V, F.

Resposta.

QUESTÃO 09
UECE 2018: Considerando os elementos que compõem a narrativa literária do conto Uma vela para Dario, atente para as seguintes assertivas:

I. O enredo do conto está construído com uma sequência temporal marcada pela organização lógica em que um fato desencadeia outros fatos, numa relação de causa e efeito.

II. O espaço pode ser considerado o elemento do conto mais explorado na narrativa, pois é nele em que se desenvolve todo o enredo sobre o sofrimento e a morte trágica de Dario.

III. O autor do conto é um narrador onisciente que conta a estória em terceira pessoa, observando de longe os fatos e demonstrando conhecer os pensamentos e sentimentos das personagens ao longo de toda a narrativa.

IV. O enredo do conto dá mais importância às ações narradas do que propriamente a nomes ou a características das personagens.

Está correto o que se afirma em

A) I, II, III e IV.
B) II e IV apenas.
C) I, II e III apenas.
D) I, III e IV apenas.

Resposta.

QUESTÃO 10
UECE 2018: Sobre o uso de elementos gramaticais no conto, é correto afirmar que

A) no enunciado “Parecia morto há muitos anos, quase o retrato de um morto desbotado pela chuva” (linhas 82-84), a palavra “morto” é usada duas vezes no período com a mesma função gramatical de adjetivo para caracterizar o estado de Dario.

B) em “Apenas um homem morto e a multidão se espalhou” (linhas 77-78), o advérbio “apenas” tem o sentido de destacar, neste contexto, que a morte de Dario foi um fato único de grande importância para a multidão que presenciara o acontecido.

C) no trecho “Um menino de cor e descalço veio com uma vela, que acendeu ao lado do cadáver” (linhas 81-82), as duas expressões para caracterizar o menino, embora tenham ambas a função de adjetivo, não apresentam a mesma correlação sintática.

D) no enunciado “Quando lhe retiraram os sapatos, Dario roncou feio e bolhas de espuma surgiram no canto da boca” (linhas 17-19), o termo “feio” funciona gramaticalmente como um adjetivo para caracterizar o ronco de Dario.

Resposta.

QUESTÃO 11
UECE 2018: No conto de Dalton Trevisan, são apresentados elementos caracterizadores da classe social da personagem central, Dario, descrito como alguém com boa situação financeira. Assinale a opção que corresponde ao enunciado do texto em que NÃO está explicitada esta caracterização.

A) “Não carregaram Dario além da esquina; a farmácia no fim do quarteirão e, além do mais, muito pesado”. (linhas 39-41)

B) “Abriu-lhe o paletó, o colarinho, a gravata e a cinta”. (linhas 15-16)

C) “Dario conduzido de volta e recostado à parede – não tinha os sapatos nem o alfinete de pérola na gravata.” (linhas 35-37)

D) “Restava a aliança de ouro na mão esquerda, que ele próprio – quando vivo – só podia destacar umedecida com sabonete”. (linhas 63-66)

Resposta.

QUESTÃO 12
UECE 2018: Tomando o primeiro parágrafo do conto “Dario vinha apressado, guarda-chuva no braço esquerdo e, assim que dobrou a esquina, diminuiu o passo até parar, encostando-se à parede de uma casa. Por ela escorregando, sentou-se na calçada, ainda úmida de chuva, e descansou na pedra o cachimbo” – (linhas 01-06), vê-se, na sequência dos verbos destacados, a ideia de

A) oposição entre ações verbais.
B) causa entre as ações verbais.
C) gradação entre ações verbais.
D) consequência entre as ações verbais.

Resposta.

Comentários