Questões de Interpretação de Texto do livro 'A Aventura Semiológica' com Gabarito

questoes-de-interpretacao-de-texto-do-livro-a-aventura-semiologica-com-gabarito
Questões de Interpretação de Texto do livro 'A Aventura Semiológica' com Gabarito

Abaixo você confere uma atividade de 08 questões sobre um trecho (texto) extraído do Livro "A Aventura Semiológica" de Roland Barthes.

As questões abaixo são de concurso elaborado pela Fundação Carlos Chagas e aplicada em 09/2018. Confira.

ATIVIDADE

Atenção: Leia o texto abaixo para responder às questões de números 01 a 08.

A retórica de que se trata aqui é essa metalinguagem (cuja linguagem-objeto foi o “discurso”) que reinou no Ocidente do século V a.C. até o século XIX d.C. Esse discurso sobre o discurso comportou várias práticas, presentes, simultânea ou sucessivamente, segundo as épocas, na “Retórica”, entre elas:

1. uma técnica, isto é, uma “arte”, no sentido clássico da palavra – arte da persuasão, conjunto de preceitos cuja aplicação permite convencer o ouvinte do discurso (e mais tarde, o leitor da obra), mesmo quando aquilo de que se deve persuadi-lo seja “falso”;

2. um ensinamento – de início transmitida por vias pessoais, inseriu-se rapidamente em instituições de ensino;

3. uma ciência, ou, em todo caso, uma protociência − um campo de observação autônomo delimitando certos fenômenos, a saber, os “efeitos” de linguagem;

4. uma moral – sendo um sistema de “regras”, a retórica está penetrada da ambiguidade da palavra: é ao mesmo tempo um manual de receitas, animadas por uma finalidade prática, e um Código, um corpo de prescrições morais, cuja função é vigiar (isto é, permitir e limitar) os “desvios” da linguagem passional;

5. uma prática social – a Retórica é essa técnica privilegiada (pois que é preciso pagar para adquiri-la) que permite à classe dirigente garantir para si a propriedade da palavra. Sendo a linguagem um poder, decidiu-se das regras seletivas de acesso a esse poder, constituindo-o em pseudociência, fechada para “aqueles que não sabem falar”, tributária de uma iniciação dispendiosa (nascida há 2500 anos de processo de propriedade, a retórica se esgota e morre na classe de “retórica”, consagração iniciática da cultura burguesa).

A Retórica (como metalinguagem) nasceu do processo de propriedade. Por volta de 485 a. C., dois tiranos sicilianos, Géron e Hiéron, operaram deportações, transferências de população e expropriações, para povoar Siracusa e distribuir lotes aos mercenários; quando foram derrubados por um levante democrático e se quis voltar ao ante qua, houve inumeráveis processos, pois os direitos de propriedade estavam obscurecidos. Esses processos eram de um tipo novo e mobilizavam grandes júris populares, diante dos quais, para convencer, era preciso ser “eloquente”.

Essa eloquência, participando ao mesmo tempo da democracia e da demagogia, do judicial e do político (o que se chamou depois de deliberativo), constituiu-se rapidamente em objeto de ensino. Os primeiros professores dessa nova disciplina foram Empédocles de Agrigento, Córax, aluno seu de Siracusa (o primeiro a cobrar pelas aulas), e Tísias. Esse ensino passou com igual rapidez para a Ática (depois das guerras médicas), graças às contestações dos comerciantes, que moviam processos conjuntamente em Siracusa e em Atenas: a retórica já é, em parte, ateniense desde meados do século V.

Córax coloca já as cinco grandes partes da oratio, que formarão durante séculos o “plano” do discurso oratório: 1. exórdio; 2. narração (relação dos fatos); 3. argumentação ou prova; 4. digressão; 5. epílogo. É fácil verificar que, ao passar do discurso judicial para a dissertação escolar, esse plano conservou a sua organização principal: uma introdução, um corpo demonstrativo, uma conclusão.
(Adaptado de: BARTHES, Roland. “A Antiga Retórica”,
A Aventura Semiológica, Lisboa, Edições 70, 1987)

QUESTÃO 01
(FCC) Em consonância com o texto e com os fundamentos da retórica, pode-se afirmar:

(A) Da Antiguidade, com Demóstenes ou Cícero, até chegar às redações escolares, é preciso acrescentar também outra modalidade de discursos retóricos, os sermões eclesiásticos, embora neles a persuasão e a credibilidade não tivessem importância, visto que a fé constituía um dado inexorável.

(B) O convencimento era preocupação secundária para a retórica, uma vez que os tribunais de júri na Antiguidade importavam-se sobretudo com a eloquência dos discursos.

(C) A retórica, que se origina nas disputas por poder político, tem início em Atenas, a partir de um desmembramento da filosofia, já que esta se dedicava ao pensamento abstrato, enquanto a arte da eloquência tinha por base a utilidade.

(D) A verdade por si só, a que se dedicava a filosofia, não era necessariamente persuasiva; este atributo cabia de modo mais apropriado à arte retórica, cujos discursos procuravam obter eficácia através da verossimilhança.

(E) O texto, esclarecendo um caminho de decadência da retórica até os dias de hoje, culmina com um paralelo com a estrutura da dissertação escolar, que mantém a mesma organização, embora sem utilidade prática.

RESPOSTA.

QUESTÃO 02
(FCC) Sendo a linguagem um poder, decidiu-se das regras seletivas de acesso a esse poder, constituindo-o em pseudociência, fechada para “aqueles que não sabem falar”, tributária de uma iniciação dispendiosa... (item 5)

Mantendo a correção e, em linhas gerais, o sentido do texto, os elementos sublinhados podem ser corretamente substituídos por:

(A) Uma vez que era − de forma que fosse constituído
(B) Para que fosse − posto que se constituísse
(C) Conquanto fosse − a fim de que o constituíssem
(D) Como fosse − para que se constituísse
(E) Quando era − de modo que o constituísse

RESPOSTA.

QUESTÃO 03
(FCC) ...houve inumeráveis processos, pois os direitos de propriedade estavam obscurecidos. Esses processos eram de um tipo novo. (2º parágrafo)

Uma nova redação para o segmento acima, coesa e articulada por meio de subordinação, sem prejuízo da clareza e do sentido, encontra-se em:

(A) Houve inumeráveis processos, em que eram de um tipo novo, já que os direitos de propriedade estavam obscurecidos.

(B) Houve inumeráveis processos, pois os direitos de propriedade, que estavam obscurecidos, eram de um tipo novo.

(C) Como estivessem obscurecidos os direitos de propriedade, houve inumeráveis processos, que eram de um tipo novo.

(D) Estando obscurecidos os direitos de propriedade e havendo inumeráveis processos, que eram de um tipo novo.

(E) Houve inumeráveis processos que eram de um tipo novo, haja vista os direitos de propriedade estavam obscurecidos.

RESPOSTA.

QUESTÃO 04
(FCC) As afirmações abaixo dizem respeito a características sintáticas do texto.

I. Se comparado ao emprego de orações distendidas, o uso de orações reduzidas de gerúndio, como em sendo um sistema de “regras” (item 4), torna o sentido das frases mais impreciso, transferindo ao leitor a tarefa de atribuir o sentido mais adequado.

II. As orações ligadas por conjunção aditiva “e”, como em Esses processos eram de um tipo novo e mobilizavam grandes júris populares (2º parágrafo), ao contrário do período subordinado, têm sua relação de sentido bastante clara, sem deixar margem a outros sentidos advindos da interpretação do leitor.

III. No segmento: a retórica já é (fim do 3º parágrafo) os dois-pontos inserem uma conclusão, que pode ser reescrita do seguinte modo: “...em Atenas; assim, a retórica já é...”.

Está correto o que consta em

(A) I, II e III.
(B) I e III, apenas.
(C) I, apenas.
(D) II, apenas.
(E) II e III, apenas.

RESPOSTA.

QUESTÃO 05
(FCC) Substitui-se corretamente o segmento sublinhado pelo que se encontra entre parênteses em

(A) o que se chamou depois de deliberativo (foi chamado)

(B) constituiu-se rapidamente em objeto de ensino (alterou)

(C) participando ao mesmo tempo da democracia (aderindo)

(D) A retórica de que se trata aqui é essa metalinguagem (se estuda)

(E) mesmo quando aquilo de que se deve persuadi-lo seja “falso” (analisá-lo)

RESPOSTA.

QUESTÃO 06
(FCC) O termo sublinhado deve sua flexão ao que está destacado em

(A) houve inumeráveis processos, pois os direitos de propriedade estavam obscurecidos (2º parágrafo)

(B) É fácil verificar que, ao passar do discurso judicial para a dissertação escolar (último parágrafo)

(C) graças às contestações dos comerciantes, que moviam processos conjuntamente (3º parágrafo)

(D) técnica privilegiada [...] que permite à classe dirigente garantir para si a propriedade (item 5)

(E) a retórica está penetrada da ambiguidade da palavraé ao mesmo tempo um manual de receitas (item 4)

RESPOSTA.

QUESTÃO 07
(FCC) As frases abaixo dizem respeito à pontuação do 2º parágrafo.

I. Em nasceu do processo de propriedade. Por volta de 485 a. C., com as devidas alterações, o ponto final pode ser substituído por dois-pontos, pois o texto seguinte consiste na explicação do que acaba de ser dito.

II. A vírgula em se quis voltar ao ante qua, houve inumeráveis processos separa as duas orações subordinadas, ainda que coordenadas entre si, da oração principal.

III. Transferindo-se o segmento sublinhado em diante dos quaispara convencerera preciso ser “eloquente” para o fim da frase, não há necessidade de vírgula.

Está correto o que consta em

(A) I, II e III.
(B) I e II, apenas.
(C) I e III, apenas.
(D) III, apenas.
(E) II, apenas.

RESPOSTA.

QUESTÃO 08
(FCC) Constitui estritamente resumo do texto o que consta em:

(A) Com o acirramento das disputas por terra na Antiguidade, importa perceber como a retórica, surgida no século V a.C., deve ser analisada como uma dinâmica política com reflexos na estrutura da sociedade contemporânea.

(B) A retórica, enquanto conjunto de preceitos e práticas, tem origem na Antiguidade, em disputas de poder e propriedade no século V a.C., mantendo-se viva até o século XIX, com reflexos ainda hoje na estruturação dos textos escolares.

(C) O desenvolvimento da retórica, em um arco temporal de mais de vinte séculos, oferece uma possibilidade de compreensão do desenvolvimento dos mais variados discursos, de jurídicos e educacionais a literários e religiosos, até o presente.

(D) Comprometidos com o ensino da retórica, Empédocles e seu aluno Córax, fundaram as bases dessa disciplina que, tendo nascido na Antiguidade, nem por isso deixa de proporcionar ainda hoje o que há de mais interessante nas artes ligadas ao discurso.

(E) Embora surja na Sicília, a retórica estende-se a Atenas, onde passa a ser cultivada nas escolas como ciência e como moral, enquanto reguladora do discurso, característica a que se deve atentar ao analisar textos antigos.

RESPOSTA.

Questões de Interpretação de Texto do livro 'A Aventura Semiológica' com Gabarito Questões de Interpretação de Texto do livro 'A Aventura Semiológica' com Gabarito Reviewed by Redação on setembro 26, 2018 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.