FGV-SP 2019: Entre 1100 e 1500, a África foi um parceiro privilegiado nas relações intercontinentais do Velho Mundo

FGV-SP 2019: Entre 1100 e 1500, a África foi um parceiro privilegiado nas relações intercontinentais do Velho Mundo. Tanto através do Mediterrâneo como através do oceano Índico, um comércio intenso, mais frequentemente intermediado pelos muçulmanos, ligava a Europa e a Ásia ao continente africano. Deve-se enfatizar que vários tipos de comércio organizado no interior da África já existiam desde a pré-história. [...] Parece que no plano econômico e comercial a África estava em plena expansão nos séculos XIV e XV [...]. Grandes correntes de intercâmbios culturais atravessaram o continente em todas as direções, confundindo-se por vezes com as correntes de comércio. Não havia mais regiões isoladas [...].
(Djibril Tamsir Niane, Relações e intercâmbios entre as várias regiões.
Em: História geral da África, IV: África do século XII ao XVI /
editado por Djibril Tamsir Niane)

A partir das considerações do excerto, é correto concluir que

(A) o isolamento africano da civilização europeia na transição do mundo medieval para o moderno, especialmente as regiões subsaarianas, impediu que se desenvolvessem grandes cidades ou organizações políticas mais sólidas, resultando na preponderância de sociedades primitivas.

(B) as variadas portas de entrada do continente africano, como o Mediterrâneo e o Índico, estabeleceram importantes contatos com outras regiões do mundo conhecido, mas apenas com a presença portuguesa no Atlântico o desenvolvimento político-econômico se tornou duradouro na África.

(C) a leitura dos filósofos do Iluminismo acerca da África como um continente sem História foi confirmada, em grande parte, porque os efetivos saltos econômicos africanos apenas ocorreram após os contatos estabelecidos pelos europeus, com a expansão marítima iniciada no século XV.

(D) o desenvolvimento econômico africano se efetivou com a consolidação do tráfico negreiro, porque o continente recebeu recursos em alta escala, dando início a um processo de forte urbanização, condição necessária para a ampliação dos negócios com as nações europeias.

(E) a ideia de que o isolamento da África negra em relação ao mundo mediterrâneo provocou o atraso de grande parte do continente é equivocada, porque o deserto do Saara não se constituiu uma barreira que impedisse a circulação de pessoas, mercadorias e culturas na região.

QUESTÃO ANTERIOR;
FGV-SP 2019: Leia o texto.

GABARITO:
(E) a ideia de que o isolamento da África negra em relação ao mundo mediterrâneo provocou o atraso de grande parte do continente é equivocada, porque o deserto do Saara não se constituiu uma barreira que impedisse a circulação de pessoas, mercadorias e culturas na região.

RESOLUÇÃO:
O texto transcrito enfatiza a importância da África como região de intenso intercâmbio comercial e de influências culturais recíprocas, não só no plano interno, mas também no contato com as regiões mediterrânicas e índicas.

PRÓXIMA QUESTÃO:
- FGV-SP 2019: Vivendo num mundo agrícola, em que se percebe cotidianamente como alguns seres precisam morrer para que outros possam viver, convivendo com a constante ameaça da fome, das epidemias e das guerras, os medievais sentiam a onipresença da morte, mas isso não os incomodava. Eles tinham dela uma visão natural, tranquila, diferente da de seus descendentes dos séculos seguintes.
FGV-SP 2019: Entre 1100 e 1500, a África foi um parceiro privilegiado nas relações intercontinentais do Velho Mundo FGV-SP 2019: Entre 1100 e 1500, a África foi um parceiro privilegiado nas relações intercontinentais do Velho Mundo Reviewed by Redação on dezembro 02, 2018 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.