UECE 2019: Em função de uma linguagem mais simples e coloquial, a crônica, muitas vezes, pode “desrespeitar”

UECE 2019: Em função de uma linguagem mais simples e coloquial, a crônica, muitas vezes, pode “desrespeitar” a norma gramatical própria do uso culto da escrita formal da língua, o que pode ser observado no texto de Martha Medeiros na seguinte passagem:

A) “Eram quatro da manhã quando seu pai sofreu um colapso cardíaco” (linhas 01-02), em que, gramaticalmente, o verbo “ser”, indicando tempo, não varia em número para concordar com “quatro da manhã”.

B) “Até a musiquinha que antecede a chamada a cobrar pode ser bem-vinda” (linhas 35-37), em que o verbo “anteceder” exige um complemento com preposição.

C) “A música que você mais gosta tocando no rádio do carro” (linhas 57-58), em que a regência do verbo “gostar” não é obedecida.

D) “O toque do interfone quando se aguarda ansiosamente a chegada do namorado” (linhas 49-50), em que a expressão “a chegada’ deveria vir com o acento indicativo de crase, já que o verbo “aguardar” exige complemento com a preposição “a”, bem como o artigo que acompanha o substantivo é do gênero feminino.


QUESTÃO ANTERIOR:
UECE 2019: A autora da crônica cria duas categorias para classificar os sons com que nos deparamos no dia a dia: sons magnânimos e sons cotidianos.

GABARITO:
C) “A música que você mais gosta tocando no rádio do carro” (linhas 57-58), em que a regência do verbo “gostar” não é obedecida.

PRÓXIMA QUESTÃO:
- UECE 2019: A respeito do verbo flexionado em “Nunca na vida ouvira um som mais lindo [...]” (linhas 07-08), é correto dizer que
UECE 2019: Em função de uma linguagem mais simples e coloquial, a crônica, muitas vezes, pode “desrespeitar” UECE 2019: Em função de uma linguagem mais simples e coloquial, a crônica, muitas vezes, pode “desrespeitar” Reviewed by Redação on dezembro 07, 2018 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.