UNIFAMINAS: – Não esqueci de nada…, recomeçou a mãe, quando uma freada súbita do carro lançou-as uma contra a outra e fez despencarem as malas. – Ah! Ah!

UNIFAMINAS: – Não esqueci de nada…, recomeçou a mãe, quando uma freada súbita do carro lançou-as uma contra a outra e fez despencarem as malas. – Ah! Ah! – exclamou a mãe como a um desastre irremediável, ah! dizia balançando a cabeça em surpresa, de repente envelhecida e pobre. E Catarina?

Catarina olhava a mãe, e a mãe olhava a filha, e também a Catarina acontecera um desastre? seus olhos piscaram surpreendidos, ela ajeitava depressa as malas, a bolsa, procurando o mais rapidamente possível remediar a catástrofe. Porque de fato sucedera alguma coisa, seria inútil esconder: Catarina fora lançada contra Severina, numa intimidade de corpo há muito esquecida, vinda do tempo em que se tem pai e mãe. Apesar de que nunca se haviam realmente abraçado ou beijado. Do pai, sim. Catarina sempre fora mais amiga. Quando a mãe enchia-lhes os pratos obrigando-os a comer demais, os dois se olhavam piscando em cumplicidade e a mãe nem notava. Mas depois do choque no táxi e depois de se ajeitarem, não tinham o que falar – por que não chegavam logo à Estação?

– Não esqueci de nada, perguntou a mãe com voz resignada. [...]
(LISPECTOR, Clarice. Os laços de família. Laços de família. Rio de
Janeiro: Rocco, 1998. Fragmento.)

Dentre os principais autores modernistas está Clarice Lispector cuja ficção explora os conflitos do indivíduo e sua autoconsciência. No trecho anterior, pode-se observar que

(A) a partir das reflexões propostas, o “eu” da personagem apresenta soluções para os conflitos existenciais.

(B) um fato sem nenhuma importância aparente é o ponto de partida para o início de um processo de epifania, dando início a reflexões sobre a própria existência.

(C) a objetividade presente na narrativa é reconhecida por meio de um recurso próprio da autora, chamado “monólogo interior”, em que apresenta seu ponto de vista.

(D) a situação do cotidiano apresentada torna-se extremamente importante na narrativa, com o principal objetivo de demonstrar que a simplicidade da existência deve ser valorizada.

QUESTÃO ANTERIOR:
UNIFAMINAS: Para que o segundo período do primeiro parágrafo mantenha o sentido demonstrado de que a informação introduzida seja vista como fato real, a conjunção inicial poderia ser substituída por (considerando que alterações necessárias na frase possam ser feitas)

GABARITO:
(B) um fato sem nenhuma importância aparente é o ponto de partida para o início de um processo de epifania, dando início a reflexões sobre a própria existência.

PRÓXIMA QUESTÃO:
- UNIFAMINAS: Tendo em vista os textos apresentados, relacione-os às assertivas a seguir.

Questão disponível em:
Prova UNIFAMINAS 2019.1; Questões com Gabarito

PESQUISAR OUTRA QUESTÃO

Comentários