Carlos abalroou o veículo de Lúcia no dia 15 de maio de 2018. Durante as tratativas para o pagamento dos prejuízos,

CESPE 2022 - QUESTÃO 85
Carlos abalroou o veículo de Lúcia no dia 15 de maio de 2018. Durante as tratativas para o pagamento dos prejuízos, eles apaixonaram-se e casaram-se após dois meses do evento danoso. 

Após três anos de casamento e o nascimento de um filho, a relação desgastou-se e eles resolveram se divorciar consensualmente. Inconformada com o término da relação conjugal, Lúcia ajuizou ação condenatória contra Carlos no dia 16 de setembro de 2021, para se ressarcir dos prejuízos decorrentes do acidente, que a deixaram sem ter como se locomover para o trabalho. Em contestação, o demandado se defendeu alegando a ocorrência de prescrição. 

Nessa situação hipotética, à luz do Código Civil, na data de ajuizamento da ação por Lúcia, 

A) a pretensão autoral condenatória encontrava-se fulminada pela prescrição. 

B) a pretensão autoral condenatória encontrava-se alcançada pela decadência. 

C) a ocorrência de prescrição ou decadência estaria sujeita a decisão homologatória proferida perante a vara de família. 

D) não haveria que se falar em prescrição ou decadência, por se tratar de relação conjugal em que houve o nascimento de prole. 

E) a pretensão autoral condenatória deduzida contra o demandado não se encontrava prescrita.

QUESTÃO ANTERIOR:

GABARITO:
E) a pretensão autoral condenatória deduzida contra o demandado não se encontrava prescrita.

RESOLUÇÃO:
Não temos resolução para essa questão! Você sabe explicar? Copie o link dessa página e envie sua resolução clicando AQUI!

PRÓXIMA QUESTÃO:

QUESTÃO DISPONÍVEL EM:

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.