(DINÂMICA 2019) A introdução do discurso de autoridades em relação ao assunto tratado no desenvolvimento do texto tem por objetivo

Uma criança morre a cada cinco segundos no mundo, alerta relatório

Uma criança com menos de 15 anos morre a cada cinco segundos no mundo, a maioria por causas preveníveis. O alerta faz parte do relatório “Mortalidade Infantil”, divulgado nesta terça-feira pela Organização Mundial da Saúde (OMS), pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), ONU e Banco Mundial. São 6,3 milhões de crianças que perderam a vida em 2017, 5,4 milhões delas com menos de 5 anos, sendo que recém-nascidos representam metade deste número.

— Sem ação urgente, 56 milhões de crianças com menos de 5 anos irão morrer até 2030 — disse Laurence Chandy, diretora de Dados, Pesquisas e Políticas do Unicef. — Nós conseguimos progresso marcante para salvar as crianças desde 1990, mas milhões ainda estão morrendo por quem são e por onde nasceram. Com soluções simples como medicamentos, água limpa, eletricidade e vacinas, podemos mudar a realidade para cada criança.

Entre as regiões, a África Subsaariana registrou metade de todas as mortes de menores de 5 anos e outros 30% das mortes acontecem no Sul da Ásia. Em média, uma em cada 13 crianças morreram antes de completar o quinto aniversário em países da África Subsaariana, contra taxa de uma em 185 nos países ricos.

— Milhões de bebês e crianças não deveriam morrer todos os anos por falta de acesso à água, ao saneamento básico, à nutrição apropriada ou a serviços básicos de saúde — lamentou a médica Princess Nono Simelela, diretora-assistente para a Saúde de Família, Mulheres e Crianças na OMS.
— Nós devemos priorizar o acesso universal aos serviços de saúde de qualidade para cada criança, particularmente logo após o nascimento e nos primeiros anos, para dar a elas as melhores chances de sobreviverem.

Entre as crianças com menos de 5 anos, a maioria das mortes acontece por causas preveníveis ou tratáveis, como complicações no parto, pneumonia, diarreia, sepse neonatal e malária. Já entre as crianças entre 5 e 14 anos, ferimentos são a principal causa da morte, especialmente por afogamento e acidentes de trânsito. Dentro deste grupo, as diferenças regionais também existem, com uma criança nascida na África Subsaariana tendo 15 vezes mais chances de morrer que as crianças europeias.

Em todo o mundo, o período de maior risco é o primeiro mês de vida. Em 2017, 2,5 milhões de crianças morreram antes de completar os primeiros 30 dias. Neste período, um bebê nascido na África Subsaariana ou no Sul da Ásia tem nove vezes mais chances de morrer que um bebê nascido num país rico. E as disparidades existem dentro dos países. As taxas de mortalidade de menores de 5 anos em áreas rurais são, em média, 50% maiores que nas áreas urbanas.

— A morte de mais de 6 milhões de crianças antes de completarem os 15 anos é um custo que não conseguimos arcar — afirmou Timothy Evans, diretor de Saúde, Nutrição e População no Banco Mundial. — Acabar com as mortes preveníveis e investir na saúde infantil são fundações básicas para a construção do capital humano dos países, que levarão a um futuro de crescimento e prosperidade.

Apesar das taxas alarmantes de mortalidade infantil, o mundo registrou progresso nas últimas décadas. Em 1990, 12,6 milhões de crianças menores de 5 anos morreram, contra 5,4 milhões no ano passado. No Brasil, 235 mil crianças nessa faixa etária morreram em 1990, contra 43 mil no ano passado.
(O GLOBO, 18/09/2018.)

QUESTÃO 05
(DINÂMICA 2019) A introdução do discurso de autoridades em relação ao assunto tratado no desenvolvimento do texto tem por objetivo:

(A) Trazer para o enunciado a credibilidade da autoridade citada.

(B) Influenciar o leitor levando-o a aprofundar-se na área de conhecimento citada.

(C) Permitir que haja embasamento para contestação do quadro apresentado tendo em vista as declarações citadas.

(D) Apresentar a opinião do meio midiático em que circula o texto, demonstrando a veracidade dos fatos apresentados.

QUESTÃO ANTERIOR:
(DINÂMICA 2019) Leia o trecho “— Milhões de bebês e crianças não deveriam morrer todos os anos por falta de acesso à água, ao saneamento básico, à nutrição apropriada ou a serviços básicos de saúde — lamentou a médica Princess Nono Simelela, diretora-assistente para a Saúde de Família, Mulheres e Crianças na OMS” (4º§) e assinale a afirmativa correta em relação às estruturas linguísticas.

RESPOSTA:
(A) Trazer para o enunciado a credibilidade da autoridade citada.

PRÓXIMA QUESTÃO:
- Literatura
- (DINÂMICA 2019) Leia o trecho a seguir retirado de Memórias Póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis.

Questão disponível em:
Prova Faculdade Dinâmica 2019.1; Questões com Gabarito

PESQUISAR OUTRA QUESTÃO

Comentários