UNESP 2020: A “despersonalização” e a “dessocialização” dos escravizados podem ser associadas, respectivamente,

Leia o texto e observe o mapa para responder às questões 34 e 35.

Nem existia Brasil no começo dessa história. Existiam o Peru e o México, no contexto pré-colombiano, mas Argentina, Brasil, Chile, Estados Unidos, Canadá, não. No que seria o Brasil, havia gente no Norte, no Rio, depois no Sul, mas toda essa gente tinha pouca relação entre si até meados do século XVIII.

E há aí a questão da navegação marítima, torna-se importante aprender bem história marítima, que é ligada à geografia. [...] Essa compreensão me deu muita liberdade para ver as relações que Rio, Pernambuco e Bahia tinham com Luanda. Depois a Bahia tem muito mais relação com o antigo Daomé, hoje Benin, na Costa da Mina. Isso formava um todo, muito mais do que o Brasil ou a América portuguesa. [...]

Nunca os missionários entraram na briga para saber se o africano havia sido ilegalmente escravizado ou não, mas a escravidão indígena foi embargada pelos missionários desde o começo, e isso também é um pouco interesse dos negreiros, ou seja, que a escravidão africana predomine. [...] A escravização tem dois processos: o primeiro é a despersonalização, e o segundo é a dessocialização.

O observador do Brasil no Atlântico Sul
(Luiz Felipe de Alencastro. Entrevista a Mariluce Moura.
“O observador do Brasil no Atlântico Sul”.
In: Revista Pesquisa Fapesp, nº 188, outubro de 2011.)

QUESTÃO 35
UNESP 2020: A “despersonalização” e a “dessocialização” dos escravizados podem ser associadas, respectivamente,

(A) ao fato de que os escravos eram identificados por números marcados a ferro e à interdição do contato entre os cativos e seus senhores.

(B) à noção do escravo como mercadoria e ao fato de que os africanos eram extraídos de sua comunidade de origem.

(C) à noção do escravo como tolerante ao trabalho compulsório e ao fato de que ele era proibido de fazer amizades ou constituir família.

(D) ao fato de que os escravos eram etnologicamente indistintos e à proibição de realização de festas e cultos.

(E) à noção do escravo como desconhecedor do território colonial e ao fato de que ele não era reconhecido como brasileiro.

QUESTÃO ANTERIOR:
UNESP 2020: O texto estabelece a formação do Brasil a partir da navegação marítima, o que implica reconhecer a importância

RESOLUÇÃO:
O termo “despersonalização”, aplicado ao contexto da escravidão no Brasil colônia, demonstra que o escravizado perdia parte de suas características ancestrais, mas as substituía por uma personalidade nova, forjada no cativeiro ou nos espaços de liberdade proporcionados pelos quilombos. O termo “dessocialização”, por sua vez, expressa a perda do ambiente cultural original, substituído por outra espécie de sociabilização, resultante do surgimento de laços baseados na solidariedade e na resistência contra a opressão.

GABARITO:
(B) à noção do escravo como mercadoria e ao fato de que os africanos eram extraídos de sua comunidade de origem.

PRÓXIMA QUESTÃO:
- UNESP 2020: O texto, produzido no âmbito do Iluminismo francês, apresenta a doutrina política do

QUESTÃO DISPONÍVEL EM:
Prova UNESP 2020.1 com Gabarito e Resolução

PESQUISAR OUTRA QUESTÃO

Comentários