Todos olham para mim agora – e gosto de pensar que me definem de algum modo. Tudo bem, é apenas um programa de computador

 


Instrução: As questões de (01) a (03) referem-se à interpretação do texto seguinte.

Ensaio de interpretação do Orkut

Para meus irmãos Diego e Carolina

E lá estão meus friends no Orkut...

Todos olham para mim agora – e gosto de pensar que me definem de algum modo. Tudo bem, é apenas um programa de computador... mas essas pessoas habitam cantos da minha memória. São afeições que se perderam. São encontros de 5 minutos numa vida de 24 horas. São parte do barro que ajudou a me moldar. Muitas não são nada mais. Têm sim uma importância histórica; mas têm tanta relevância no meu dia-a-dia quanto meus antepassados mortos. Algumas catracas da existência atravessamos juntos. Uns me puxaram para trás. Mas não posso apagá-los do meu software agora; como não posso eliminá-los da minha lista no Orkut...

Outro dia, fui almoçar com um amigo dos primeiros anos da faculdade que não vira nunca mais. Ele havia abandonado o curso e nós havíamos perdido contato. Navegando não sei em que lista, não sei de que pessoa, ele me apareceu sorridente de novo, proclamando que “viver!” (assim, com exclamação) era seu hobby principal. Fomos nos reencontrar, no real world, e por uma mágica mental (Steven Pinker: “nossa natureza humana nunca muda”), foi como se a conversa houvesse parado no mesmo ponto... de 10 anos atrás.

Os mesmos gestos, os mesmos olhares, os mesmos gostos. Éramos amigos de novo.

Daqui para frente, é provável que cada vez haja menos tempo para uma convivência diária. Teremos de nos contentar com uma frase mal escrita num e-mail instantâneo.

Com um telefonema mensal de meia-hora, no qual se evoca no máximo aquele dia, aquela semana, enquanto se manipula objetos ao redor – ou se trabalha; ou se dirige o carro, no meio do trânsito. As reações são pontuais e vêm em bloco – concentradas num “feliz aniversário!”, num “parabéns!”, num “quanto tempo!”. E perdemos as nuances dos sentimentos nutridos por nós, de parte daqueles que simplesmente encontrávamos mais. Talvez o problema seja geográfico: acabaram-se os pontos de encontro. E eu não vou atravessar a cidade para ver um amigo por 10 minutos. Ou vou? Atravessar o Brasil? Atravessar o mundo? Ainda outro dia perdi uma chave e, tateando o chão em busca dela, topei com outro ex-colega. Esse fora do Orkut.

“E aí?”; “E aí, quanto tempo?” – foi o que conseguimos pronunciar, antes de retomar minha busca (pela chave) e ele recolher seus pertences, pois estava louco-para-chegar-em casa. Uma semana antes, encontrei outro. Ele me reconheceu à distância, apontou, movimentou os músculos da face, demonstrando surpresa, e continuou em minha direção. Começou a contar do trabalho, e já ia me fornecer explicações pormenorizadas, quando minha namorada chegou e – desta vez – eu tive de ir embora. Por força de um “ponto de encontro”, retomei a convivência com os dois. Mas as relações se mantêm tão superficiais quanto nesses (re)encontros. Compartilhamos o mesmo espaço por algumas horas, mas estamos tão ocupados com nossos afazeres que mal nos olhamos na cara. E não é culpa do Orkut.

Orkut obviamente não será uma solução para nossa existência fragmentada, onde se tem de fazer um juízo de valor de uma pessoa, por exemplo, em 15 minutos. (E apostar suas fichas nela; e se arrepender, ou então apostar de novo.) Estamos apenas meio perdidos entre aquelas pessoas que avistávamos diariamente (de antes, e que agora ressurgem) e essas outras que aprendemos a apreciar na brevidade do e-mail, na dispersão da era da Internet, no tempo da hipercomunicação superficial (celulares, palmtops, webcams...).

Orkut de algum jeito amarra esses dois mundos: o lento, da infância e da juventude; e o supersônico, do trabalho e da idade adulta. Um amigo, esse de verdade (antes e depois do Orkut), me disse que vai ser mais fácil para os que estão nascendo agora, e que vão crescer entre essas tecnologias todas. Será? Por enquanto, fico pensando em como administrar algumas dezenas de amigos súbitos – sendo que perdi a convivência com vários e que a técnica mais avançada, sozinha, já não me basta.

BORGES, Julio Daio. Disponível em: <http://www.digestivocultural.com.br>
Acesso em: 2 mar. 2006. (texto adaptado)

CEFET-MG 2006.2 - QUESTÃO 01
Em relação ao mundo real e ao Orkut, pode-se afirmar que o texto

a) associa as duas realidades, pois apresenta ambas as experiências.

b) opõe “real” e “virtual”, já que valoriza os encontros pessoais do primeiro.

c) distingue “real” de “virtual, porque prioriza as relações humanas do segundo.

d) confunde as duas realidades, uma vez que mostra a indefinição de seus limites.

GABARITO:
a) associa as duas realidades, pois apresenta ambas as experiências.

RESOLUÇÃO:
Não temos resolução para essa questão! Você sabe explicar? Copie o link dessa página e envie sua resolução clicando AQUI!

PRÓXIMA QUESTÃO:

QUESTÃO DISPONÍVEL EM:

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.