UNESP 2019: Aquilo que hoje chamamos “globalização” esteve na mira da classe capitalista o tempo todo

UNESP 2019: Aquilo que hoje chamamos “globalização” esteve na mira da classe capitalista o tempo todo.

Se o desejo de conquistar o espaço e a natureza é uma manifestação de algum anseio humano universal ou um produto específico das paixões da classe capitalista, jamais saberemos. O que pode ser dito com certeza é que a conquista do espaço e do tempo, assim como a busca incessante para dominar a natureza, há muito tempo tem um papel central na psique coletiva das sociedades capitalistas. Apesar de todos os tipos de críticas, acusações, repulsas e movimentos políticos de oposição, [...] ainda prevalece a crença de que a conquista do espaço e do tempo, bem como da natureza (incluindo até mesmo a natureza humana), está de algum modo a nosso alcance.
(David Harvey. O enigma do capital, 2011.)

a) Explique como a conquista do espaço e do tempo se realizou na globalização.

b) Mencione, sob o ponto de vista ambiental, duas críticas ao processo de globalização.

QUESTÃO ANTERIOR:
UNESP 2019: O sr. ATO cinco e a sra. NAÇÃO BRASILEIRA, ambos brasileiros casados

RESOLUÇÃO:
a) O lucro é o elemento norteador do modo de produção capitalista. Sua consolidação como sistema hegemônico foi possível graças a sua adequação às demandas que se apresentaram ao longo do tempo e ao domínio do espaço. A conquista do espaço, pelo Capitalismo, deu-se de duas formas: [I] com a disseminação de seu modo de produção por todos os rincões do planeta e [II] com a destruição, subversão ou incorporação de diferentes formas de produção de diferentes lugares.

Em relação ao tempo, o Capitalismo dominou-o estabelecendo ritmos de produção e de trabalho, relativizando a passagem do tempo cronológico, com o aprimoramento e aplicação de novas tecnologias, subordinando-o ao tempo da produção e o do consumo. O espaço deixou de ser o lugar e o tempo o período, quando as relações se desenvolvem e transformam-se, sob as regras do sistema capitalista, em componentes subsidiários da produção e do lucro, global e em constante mudança.

b) A apropriação do espaço global pelo capitalismo, norteada pela intenção do lucro, coloca as preocupações com o meio ambiente em segundo plano. A natureza, sob esta perspectiva, é vista como potencial matéria-prima para a produção e, consequentemente, não haveria impedimentos, por esta lógica, à exploração dos recursos naturais – levando-os à exaustão e à geração de subprodutos, como os diferentes tipos de poluição e a enorme quantidade de lixo geradas.

PRÓXIMA QUESTÃO:
- UNESP 2019: A Bayer se converteu, no dia 07.06.2018, em líder mundial de sementes, fertilizantes e pesticidas – o grupo farmacêutico e agroquímico alemão anunciou a compra da americana Monsanto.

PESQUISAR OUTRA QUESTÃO

Comentários