UNESP 2019: Com base no texto 1, justifique por que o método de Descartes aspira à universalidade

Texto 1
Para René Descartes, o que fundamenta o método universal para conhecer o mundo é a reta razão, que pertence a todos os homens, sendo “a coisa mais bem distribuída do mundo”. Mas o que é essa reta razão? “A faculdade de julgar bem e distinguir o verdadeiro do falso é propriamente aquilo que se chama bom senso ou razão, que é naturalmente igual em todos os homens”. A unidade das ciências remete à unidade da razão. E a unidade da razão remete à unidade do método. O saber deve basear-se na razão e repetir sua clareza e distinção, que são os únicos pressupostos irrenunciáveis do novo saber.
(Giovanni Reale e Dario Antiseri. História da filosofia, 1990. Adaptado.)

Texto 2
Quase sem exceção, os filósofos colocaram a essência da mente no pensamento e na consciência. O homem era o animal consciente, o animal racional. Mas, para Schopenhauer, a consciência é a simples superfície da nossa mente. Sob o intelecto consciente está a vontade inconsciente, uma força vital, persistente, uma vontade de desejo imperioso. Às vezes, pode parecer que o intelecto dirija a vontade, mas só como um guia conduz o seu mestre. Nós não queremos uma coisa porque encontramos motivos para ela, encontramos motivos para ela porque a queremos; chegamos até a elaborar filosofias e teologias para disfarçar os nossos desejos. Daí a inutilidade da lógica: ninguém jamais convenceu alguém usando a lógica. Para convencer um homem, é preciso apelar para o seu interesse pessoal, seus desejos, sua vontade.
(Will Durant. A história da filosofia, 1996. Adaptado.)

UNESP 2019
a) Com base no texto 1, justifique por que o método de Descartes aspira à universalidade. Explique a importância da matemática para a produção de conhecimentos dotados de clareza e distinção.

b) Em que consiste a ruptura filosófica estabelecida por Schopenhauer na relação entre razão e emoção? Explique a diferença entre Descartes e Schopenhauer quanto ao papel da consciência na relação com a realidade.

QUESTÃO ANTERIOR:
UNESP 2019: De acordo com o texto 1, qual é a relação entre razão e progresso?

RESOLUÇÃO:
a) Para Descartes, o conhecimento não deveria mais fundamentar-se em tudo o que fora ensinado pelas tradições, mas pela aplicação do ceticismo metodológico e pelo questionamento até as últimas consequências. Assim, o conhecimento teria um sentido válido e universal: livrar dos saberes relativos.

Além disso, Descartes era defensor do inatismo, segundo o qual o conhecimento é construído a partir de estímulos da razão. Seu método se fundamentou em princípios da Matemática, a saber: as evidências, a análise, a síntese e a enumeração, ou seja, a verificação das evidências indubitáveis; a divisão dos fatos em unidades de composição; o agrupamento das unidades percebidas como um todo e a enumeração das conclusões e princípios utilizados.

b) Schopenhauer entende o homem como um ser movido pela vontade, força irracional e incriada do universo, que produz no homem frustração e sofrimento. Para Schopenhauer, o homem faz uso da razão para encobrir tal irracionalidade, tornando a sua condição mais aceitável. Enfim, para o filósofo em questão, o homem não é o senhor da razão, mas sobretudo, escravo da vontade, questionando os fundamentos antropológicos do Iluminismo.

Para Descartes, a consciência é o sujeito ou a coisa pensante priorizada na relação com o mundo, uma forma de revelação do próprio ser via conhecimento; enquanto para Schopenhauer, a consciência seria a possibilidade da libertação do mundo pela via da compaixão e da contemplação da arte.

PRÓXIMA QUESTÃO:
- UNESP 2019: Copérnico tira a Terra do centro do Universo e, com ela, o homem. A revolução científica não consistiu somente em adquirir teorias novas e diferentes das anteriores sobre a astronomia, o corpo humano e o planeta.

PESQUISAR OUTRA QUESTÃO

Comentários