Quanto tempo o vírus COVID-19 sobrevive em superfícies

quanto-tempo-o-virus-covid-19-sobrevive-em-superficies
Quanto tempo o vírus COVID-19 sobrevive em superfícies?

Um estudo, do Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos (NIH, na sigla em inglês), que ainda não foi publicado em uma revista científica, aponta que o vírus pode sobreviver em gotículas por até três horas após ser expelido no ar por uma tosse.

Gotas finas entre 1 e 5 micrômetros de tamanho, cerca de 30 vezes menores do que um fio de cabelo humano, podem permanecer no ar por várias horas.

Alguns estudos sobre outros coronavírus descobriram que eles podem sobreviver em superfícies de metal, vidro e plástico por até nove dias, a menos que sejam desinfetados adequadamente. Esse período pode chegar a 28 dias em baixas temperaturas.

O vírus que circula em sistemas de ar-condicionado, não filtrados, só sobreviverá por algumas horas, principalmente porque as gotículas tendem a se depositar em superfícies mais rapidamente quando há circulação de ar.

Quando depositado sobre papelão o vírus vive por até 24 horas e de dois a três dias sobre superfícies de plástico e aço inoxidável. Os resultados sugerem que o vírus pode sobreviver por este tempo em maçanetas de portas, bancadas e outras superfícies duras.

Os pesquisadores descobriram que as superfícies de cobre tendem a matar o vírus em cerca de quatro horas.

No ar

Estudos indicam que as pessoas também podem pegar o novo coronavírus se respirarem gotículas de uma pessoa com COVID-19 que tosse ou exala gotículas. É por isso que é importante ficar a mais de 1 metro (3 pés) de uma pessoa doente.

A OMS está avaliando pesquisas em andamento sobre a maneira como o novo coronavírus é disseminado. Estudos até o momento sugerem que o vírus que causa o COVID-19 é transmitido principalmente pelo contato com gotículas respiratórias, e não pelo ar.

QUESTÃO ANTERIOR:
Por que lavar as mãos previne contra COVID-19?

PRÓXIMA QUESTÃO:
Como é feito o diagnóstico do COVID-19?

PÁGINA COMPLETA:
Coronavírus (COVID-19)

PESQUISAR OUTRA QUESTÃO

Comentários