ENADE 2010: Maria, com 27 anos de idade, casada, mãe de três filhos, foi ao ambulatório de uma clínica médica com quadro de tosse seca

ENADE 2010: Maria, com 27 anos de idade, casada, mãe de três filhos, foi ao ambulatório de uma clínica médica com quadro de tosse seca, dispneia progressiva há 3 meses, perda significativa de peso, febre não aferida e sudorese. À paciente já procurara o serviço de saúde anteriormente, tendo sido diagnosticada uma pneumonia, medicada com amoxacilina, sem melhora do quadro clínico, evoluindo com cianose importante.

Foram realizados exames que constataram as seguintes alterações: leucopenia severa, DHL aumentado com quatro vezes o valor de referência e gasometria arterial com saturação de O, menor que 70%. Há forte suspeita de que essa pneumonia seja causada por agente oportunista, e a presença de uma outra doença deverá ser pesquisada.

Durante a anamnese, a paciente revelou que seu parceiro é fixo e nunca teve outros relacionamentos.

Considerando essa situação, a melhor forma de abordar à paciente e realizar o diagnóstico será por meio de 

A) conversa aberta com a paciente e seus familiares sobre os fatores de risco para a AIDS e, após a autorização por escrito do casal, solicitar o exame de HIV. Confirmar a presença do Pneumocystis carinii pela coloração de Giemsa no escarro e iniciar “o tratamento adequado com tetraciclinas.

B) realização do exame para HIV sem o conhecimento da paciente, a fim de evitar um constrangimento maior. Confirmar a presença do Pneumocystis carinii pela coloração de Gram no escarro e iniciar o tratamento adequado com sulfametoxazol-trimetoprim.

C) conversa com a paciente, explicando sobre a possível causa da doença, expondo os fatores de risco para AIDS, sem a presença do parceiro, e, após, solicitar o exame de HIV. Confirmar a presença do Pneumocystis carini pela coloração de Gram no escarro e iniciar o tratamento adequado com quinolonas.

D) conversa com os familiares da paciente sobre os fatores de risco da AIDS e, após o consentimento dos familiares, solicitar o exame de HIV. Confirmar a presença do Pneumocystis pela coloração de Gram no escarro e iniciar o tratamento adequado com amonxicilina.

E) conversa com a paciente e seu parceiro, separadamente, pesquisando os fatores de risco para AIDS e, após a autorização por escrito do casal, solicitar a realização do exame de HIV. Confirmar a presença do Pneumocystis carinii pela coloração de Giemsa no escarro e iniciar o tratamento adequado com sulfametoxazol-trimetoprim.

RESOLUÇÃO:
Não temos resolução para essa questão! Você sabe explicar? Copie o link dessa página e envie sua resolução clicando AQUI!

GABARITO:
E) conversa com a paciente e seu parceiro, separadamente, pesquisando os fatores de risco para AIDS e, após a autorização por escrito do casal, solicitar a realização do exame de HIV. Confirmar a presença do Pneumocystis carinii pela coloração de Giemsa no escarro e iniciar o tratamento adequado com sulfametoxazol-trimetoprim.

PRÓXIMA QUESTÃO:

QUESTÃO DISPONÍVEL EM:

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.