UFSC 2020: Com base na leitura de três fragmentos do conto “A mão no ombro”, da coletânea Melhores contos de Lygia Fagundes Telles

Texto 9

A mão no ombro

Fragmento 1
se cheguei até aqui é porque vou morrer. Já?, horrorizou-se olhando para os lados mas evitando olhar para trás. A vertigem o fez fechar de novo os olhos. Equilibrou-se tentando se agarrar ao banco, Não quero!, gritou. Agora não, meu Deus, espera um pouco, ainda não estou preparado! Calou-se, ouvindo os passos que desciam tranquilamente a escada. Mais tênue que a brisa, um sopro pareceu reavivar a alameda. Agora está nas minhas costas, ele pensou, e sentiu o braço se estender na direção do seu ombro. Sentiu a mão ir baixando numa crispação de quem (familiar e contudo cerimonioso) dá um sinal, Sou eu. O toque manso. Preciso acordar, ordenou se contraindo inteiro, isso é apenas um sonho! Preciso acordar!, acordar. Acordar, ficou repetindo e abriu os olhos. (p. 149)

Fragmento 2
Cumpriu a rotina da manhã com uma curiosidade comovida, atento aos menores gestos que sempre repetiu automaticamente e que agora analisava, fragmentando-os em câmara lenta, como se fosse a primeira vez que abria uma torneira. Podia também ser a última. Fechou-a, mas que sentimento era esse? (p. 150-151)

Fragmento 3
A alegria era quase insuportável: da primeira vez, escapei acordando. Agora vou escapar dormindo. Não era simples? Recostou a cabeça no espaldar do banco, mas não era sutil? Enganar assim essa morte saindo pela porta do sono. Preciso dormir, murmurou fechando os olhos. Por entre a sonolência verde-cinza, viu que retomava o sonho no ponto exato em que fora interrompido. A escada. Os passos. Sentiu o ombro tocado de leve. Voltou-se. (p. 153)
TELLES, Lygia Fagundes. A mão no ombro. In: TELLES, Lygia Fagundes. Melhores contos de Lygia Fagundes Telles. Seleção de Eduardo Portella. 13. ed.
São Paulo: Global, 2015. [Fragmentos].

QUESTÃO 10
UFSC 2020: Com base na leitura de três fragmentos do conto “A mão no ombro”, da coletânea Melhores contos de Lygia Fagundes Telles, originalmente publicada em 1983, no contexto sócio-histórico e literário da obra e, ainda, de acordo com a variedade padrão da língua escrita, é correto afirmar que:

01. o conto evidencia três passagens: o momento em que o protagonista sonha com a morte; o instante em que ele retoma a rotina da vida imbuído da reflexão sobre o sonho; e o momento derradeiro em que ele se depara novamente com a morte.

02. o título do conto expressa o gesto produzido pela mão que desperta o protagonista do sonho e o salva da morte.

04. o conto constrói-se em torno de uma reflexão sobre a vida diante da iminência da morte.

08. as ocorrências sublinhadas do termo “se”, no Fragmento 1, integram o verbo que o segue ou o antecede, denotando atitudes próprias do sujeito.

16. as ocorrências sublinhadas da palavra “agora”, nos Fragmentos 1 e 3, indicam circunstância de tempo e referem-se ao momento em que o protagonista estava sonhando.

32. no Fragmento 2, a coesão do parágrafo é estabelecida pela manutenção do verbo na primeira pessoa do singular com sujeito oculto.

QUESTÃO ANTERIOR:
UFSC 2020: Com base no Texto 8 e na leitura integral de Quarto de despejo: diário de uma favelada, de Carolina Maria de Jesus, publicada pela primeira vez em livro em 1960, no contexto sócio-histórico e literário da obra e, ainda, de acordo com a obra O cemitério dos vivos, de Lima Barreto, e com a variedade padrão da língua escrita, é correto afirmar que

GABARITO:
01 + 04 = 05

PRÓXIMA QUESTÃO:
- UFSC 2020: Com base no Texto 10 e na leitura integral de Capitães da Areia, de Jorge Amado, originalmente publicada em 1937, no contexto sócio-histórico e literário da obra e, ainda, de acordo com a variedade padrão da língua escrita, é correto afirmar que

QUESTÃO DISPONÍVEL EM:
Prova UFSC/UFFS 2020 1º Dia com Gabarito

REDAÇÃO DA PROVA:
Redação UFSC/UFFS 2020: Cenário da exclusão escolar no Brasil

PESQUISAR OUTRA QUESTÃO

Comentários