Questões de Literatura UNICENTRO 2019 com Gabarito

questoes-de-literatura-unicentro-2019-com-gabarito
Questões de Literatura UNICENTRO 2019 com Gabarito

Questões de:
Português
Literatura
Inglês
Espanhol
Biologia
Filosofia
Física
Geografia
História
Matemática
Química
Sociologia

LITERATURA

QUESTÃO 01
(UNICENTRO 2019) Sobre a obra Quarto de despejo, de Carolina Maria de Jesus, é incorreto afirmar que

a) a obra é constituída por relatos de vida, análises de contexto, predominantemente como denúncia social e, também, por passagens líricas.

b) a linguagem é concisa e direta, em sintonia com a rudeza da vida da própria escritora, que manifesta consciência do processo de escrita.

c) a autora reivindica uma vida melhor para si e para a comunidade onde vive, por meio de um discurso de resistência, em face do sistema que oprime os habitantes da periferia.

d) não obstante o reconhecimento atual do seu valor, mais pelo conteúdo do que pela forma, a obra não integrou o cânone literário quando de sua publicação.

e) a obra consagrou-se como representante da literatura pós-moderna, ao fazer do gênero diário uma forma de desconstrução da subjetividade do eu-lírico.


QUESTÃO 02
(UNICENTRO 2019) Em Toda poesia, de Paulo Leminski, não há ocorrência de

a) haikais e poesia concreta.
b) versos simétricos e versos livres.
c) elegias e liras.
d) metapoesia e intertextualidade.
e) dedicatórias e traduções.


QUESTÃO 03
(UNICENTRO 2019) Em “A causa secreta”, conto de Machado de Assis, incluído em Várias histórias, é incorreto afirmar que

a) a narração começa in medias res.
b) o tempo do discurso coincide com o tempo da história.
c) há a utilização do recurso da analepse.
d) a perspectiva de Garcia predomina na narrativa.
e) o narrador faz uso da onisciência.


QUESTÃO 04
(UNICENTRO 2019) Leia o fragmento que inicia “Devaneios e embriaguez duma rapariga”, conto de Clarice Lispector, publicado em Laços de família.

Pelo quarto parecia-lhe estarem a se cruzar os elétricos, a estremecerem-lhe a imagem refletida. Estava a se pentear vagarosamente diante da penteadeira de três espelhos, os bracos brancos e fortes arrepiavamse à frescurazita da tarde. Os olhos não se abandonavam, os espelhos vibravam ora escuros, ora luminosos. Cá fora, duma janela mais alta, caiu à rua uma cousa pesada e fofa. Se os miudos e o marido estivessem à casa, já lhe viria à ideia que seria descuido deles. Os olhos não se despregavam da imagem, o pente trabalhava meditativo, o roupão aberto deixava aparecerem nos espelhos os seios entrecortados de várias raparigas.

"A Noite!", gritou o jornaleiro ao vento brando da Rua do Riachuelo, e alguma cousa arrepiou-se pressagiada. Jogou o pente à penteadeira, cantou absorta: "quem viu o par-dal-zito... passou pela jane-la... voou pr'alem do Mi-nho!" — mas, colérica, fechou-se dura como um leque.

Deitou-se, abanava-se impaciente com um jornal a farfalhar no quarto. Pegou o lenço, aspirava-o a comprimir o bordado áspero com os dedos avermelhados. Punha-se de novo a abanar-se, quase a sorrir. Ai, ai, suspirou a rir. Teve a visao de seu sorriso claro de rapariga ainda nova, e sorriu mais fechando os olhos, a abanar-se mais profundamente. Ai, ai, vinha da rua como uma borboleta.
[...]
LISPECTOR, Clarice. Devaneios e embriaguez duma rapariga.
In: ___. Laços de família. Rio de Janeiro: Rocco, 1998. p. 5.

Assinale a alternativa correta sobre o fragmento de texto apresentado para a questão.

a) O narrador é homodiegético.
b) Há o emprego do discurso indireto livre.
c) Observa-se a ocorrência de epifania.
d) Existe o recurso da prolepse.
e) O tempo é cíclico.


QUESTÃO 05
(UNICENTRO 2019) Leia o poema “Inquietação”, de Helena Kolody, publicado em Viagem no espelho:

Inquietação

O ritmo febril de um sangue moço
Lateja em minhas fontes.
As tendências recalcadas
Rumorejam surdamente,
Como larvas represadas,
Eu não sei que perdidas regiões do inconsciente.
Não possuo mais a antiga serenidade
De alta montanha nevada.

O amor quis envolver-me
E eu me esquivei.
Essa tristeza que me oprime
Tornou-se mais espessa
E pesou mais o meu destino de ser só.

O esforço gasto em árdua luta
Partiu não sei que amarras
Que me prendiam à vida.
Meu espírito, desarvorado,
Deixa-se vagar ao sabor da corrente.
Não quer aportar.
KOLODY, Helena. Inquietação. In: ___.
Viagem no espelho. Curitiba: Ed. da UFPR, 1995. p. 231.

Assinale a alternativa incorreta sobre o poema “Inquietação”, de Helena Kolody.

a) A metapoesia que perpassa as estrofes constitui uma alegoria da inquietude do eu-lírico.
b) Trata-se de poesia contemporânea, do modo lírico, com versos livres.
c) O texto tematiza questões subjetivas com linguagem fortemente simbólica.
d) Verifica-se a manifestação da fugacidade e da efemeridade da vida.
e) O poema expressa um conflito envolvendo tristeza, solidão, liberdade e agitação.

Comentários