Atividade sobre O Fim da Escravidão e Os Imigrantes

atividade-sobre-o-fim-da-escravidao-e-os-imigrantes
Atividade sobre O Fim da Escravidão e Os Imigrantes

QUESTÃO 01
(Cesgranrio) As Leis Abolicionistas, a partir de 1850, podem ser consideradas como o nível político da crise geral da escravidão no Brasil, porque:

a) A Lei Eusébio de Queirós (1850) proibiu o tráfico quando a necessidade de escravos já era declinante, face à crise da lavoura.
b) O sucesso das experiências de parceria acelerou a emancipação dos escravos, crescendo um mercado de mão de obra livre no país.
c) A Lei dos Ventre Livres (1871) representou uma vitória expressiva do movimento abolicionista, tornando irreversível o fim da escravidão.
d) As sucessivas leis emancipacionistas foram paralelas à progressiva substituição do trabalho escravo por homens livres.
e) A Lei Áurea, iniciativa da própria Coroa, visava a garantir a estabilidade e o apoio dos setores rurais ao Império.

Resposta.

QUESTÃO 02
(UFV) Em 1997, o Brasil comemorou 150 anos de nascimento de Castro Alves, um poeta baiano cujos versos simbolizam a luta pela liberdade e contra a escravidão. Com relação à escravidão e à estrutura social no Brasil, é incorreto afirmar que:

a) A abolição da escravidão em maio de 1888 foi precedida de uma ampla discussão na sociedade, bem como da adoção de medidas no sentido de incorporar os futuros libertos à estrutura econômica, social e política nacional.
b) A mão de obra escrava representava a base de sustentação da economia colonial e também do Império.
c) Havia um grande contingente de homens livres e pobres vivendo sob a dependência dos grandes senhores de terra.
d) A abolição da escravidão foi precedida de medidas restringindo o acesso à terra e ao direito de voto.
e) Houve um processo gradual de abolição da escravidão a partir de 1850, com o fim do tráfico negreiro.

Resposta.

QUESTÃO 03
(PUC-MG) Segundo a historiadora Emilia Viotti da Costa, "A abolição não correspondeu nem aos receios dos escravistas nem às expectativas dos abolicionistas. Não foi catástrofe nem redenção".
(COSTA, Emília. V. A abolição. São Paulo: Global, 1982. p. 96.)

Todas as opções abaixo expressam as ideias dessa afirmativa, exceto:

a) Não havia a implantação de uma política de integração do negro na sociedade.
b) O fim da escravidão originou revoltas, abalando a estrutura social.
c) A produção agrária brasileira não foi arruinada após 13 de maio de 1888.
d) O ex-escravo continuou marginalizado social e politicamente.


QUESTÃO 04
(UERJ) "Ai, filha! Você não entende desse riscado. Neste mundo, não existe coisa alguma sem sua razão de ser. Estas filantropias modernas de abolição! É chover no molhado - preto precisa de couro de ferro como precisa de angu e baeta. Havemos de ver no que há de parar a lavoura quando esta gente não tiver no eito. Não é porque eu seja maligno que digo e faço estas coisas. É que sou lavrador, e sei dar o nome aos bois. Enfim, você pode, eu vou mandar tirar o ferro. Mas são favos contadas - ferro tirado, preto no mato.
(RIBEIRO, Júlio. A Carne. Rio de Janeiro, Francisco Alves, 1952 - com adaptação.)

O autor do romance A Carne (1888) antecipa, no trecho acima, uma preocupação de muitos proprietários de terra, escravistas, quanto às consequências da abolição dos escravos para a agricultura brasileiro. Essa posição pode ser resumida da seguinte forma:

a) A grande lavoura não teria futuro sem a mão de obra escrava.
b) A abolição provocaria a superação da lavoura pela indústria.
c) A agricultura ficaria restrita à produção para o mercado interno.
d) O fim da escravidão transformaria as lavouras em terras improdutivas.


(Unifesp) Estima-se que, no fim do período colonial, cerca de 42% da população negra ou mulata era constituída por africanos ou afro-brasileiros livres ou libertos. Sobre esse expressivo contingente, é correto afirmar que:

a) Era responsável pela criação de gado e pela indústria do couro destinada à exportação.
b) Vivia, em sua maior parte, em quilombos, que tanto marcaram a paisagem social da época.
c) Possuía todos os direitos, inclusive o de participar das Câmaras e das irmandades leigas.
d) Tinha uma situação ambígua, pois não estava livre de recair, arbitrariamente, na escravidão.
e) Formava a mão de obra livre assalariada nas pequenas propriedades que abasteciam as cidades.


QUESTÃO 06
(Cesgranrio) Na segunda metade do século XIX, a introdução, de forma crescente, de trabalhadores livres na economia brasileira está ligado à:

a) Crise da escravidão, principalmente após o fim do tráfico negreiro.
b) Restrição de diversos países europeus à imigração de seus excedentes nacionais.
c) Forma pacífica como foi encaminhada a abolição, permitindo a utilização do artigo escravo como trabalhador livre.
d) Acelerada criação de indústrias de base que não utilizavam trabalho escravo.
e) Política contrária à escravidão, adotada pelo governo imperial ao longo de toda a sua história.


QUESTÃO 07
(UFC) Em sua obra O Abolicionismo, Joaquim Nabuco afirma: "Para nós, a raça negra é um elemento de considerável importância nacional, estreitamente ligada por infinitas relações orgânicas à nossa constituição, parte integrante do povo brasileiro. Por outro lado, a emancipação não significa tão comente o termo da injustiça de que o escravo é martyr, mas também a eliminação simultânea dos dois typos contrários, e no fundo os mesmos: o escravo e o senhor."
(NABUCO, Joaquim. O Abolicionismo. Edição fac-similar. Recife. Fundação Joaquim Nacubo. Ed. Massagana. 1988. p. 20)

Em relações à condição do negro na sociedade brasileira, é correto afirmar que:

a) A abolição representou uma perda total da mão de obra pelos antigos senhores.
b) O fim da escravidão possibilitou ao negro liberto a integração no mercado de trabalho e o livre acesso à terra.
c) As Sociedades Libertadoras tinham como objetivo principal promover a integração do ex-escravo na sociedade, garantindo-lhe os direitos de cidadania.
d) A diferença entre os processos abolicionista ocorrido nos Estados Unidos da América e o ocorrido no Brasil foi a ausência de preconceito racial em nosso país.
e) O negro livre permaneceu à margem do universo cultural estabelecido por uma sociedade regida pelo branco e continuou sujeito ao preconceito e a novos mecanismos de controle social.


QUESTÃO 08
(PUC-Camp) As Leis Abolicionistas, a partir de 1850, podem ser consideradas como o nível político da crise geral da escravidão no Brasil, porque:

a) A Lei Eusébio de Queirós (1850) proibiu o tráfico quando a necessidade de escravos já era declinante, face à crise da lavoura.
b) A experiência de parcerias acelerou a emancipação dos escravos, crescendo um mercado de mão de obra livre no país.
c) A Lei do Ventre Livre (1871) representou uma vitória expressiva do movimento abolicionista, tornando irreversível o fim da escravidão.
d) A Lei Áurea, assinada pela Princesa Isabel, visava a garantir a estabilidade e o apoio dos setores rurais ao Império.
e) As leis emancipacionistas ocorreram paralelamente à progressiva substituição do trabalho escravo por homens livres.


Atividade sobre O Fim da Escravidão e Os Imigrantes Atividade sobre O Fim da Escravidão e Os Imigrantes Reviewed by Redação on julho 20, 2018 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.